Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Travou? Destrava!

Se você for pego de surpresa, e sentir que vai travar, não se desespere

Mesmo preparados a respeito do assunto sobre o qual vamos falar, mesmo conhecendo a plateia e o local, a ansiedade pode teimar em nos visitar. Se você for pego de surpresa, e sentir que vai travar, não se desespere:

  1. Respire fundo: A respiração é frequentemente o primeiro parâmetro que se altera em situação de fala em público. Solte todo seu ar e espere até sentir vontade de respirar novamente. Respire fundo e solte tudo de uma vez só, como fazia a jogadora Hortênsia antes de arremessar a bola para a cesta. Repita mais duas vezes essa respiração. É importante que você perceba que esvaziou todo o ar que tinha nos pulmões antes de pegar nova quantidade. Isso facilitará a normalização do ritmo respiratório e lhe trará mais conforto ao falar.
  2. Solte o ar e relaxe a garganta ao falar: A tensão de falar em público costuma se propagar para a garganta. Essa tensão se manifesta numa maior resistência oferecida pelas cordas vocais a passagem do ar. Isso se traduz numa sensação de garganta apertada, voz tensa ou tremula e até mesmo abafada. Para reverter essa situação, lembre-se primeiramente de abastecer-se de ar para falar. O ar é o combustível da voz. Sem ele não dá pra falar. Só que, depois que respiramos, o ar deve ser expulso gradativamente junto com as palavras. Se ele não sai, a voz fica tensa e presa. Lembre-se de relaxar a garganta e liberar o ar que dará vida as suas palavras.
  3. Cuide para sua voz não ficar aguda demais: A mesma tensão que torna nossa garganta apertada e gera uma voz mais tensa, faz com que nossa voz se torne um pouco mais fina (aguda) do que o habitual... Isso acontece para a maioria das pessoas. Procure se ouvir enquanto fala e avalie se a voz produzida é semelhante a que você usa normalmente. Nunca faça força para falar e procure não falar em alta intensidade. Quanto mais suave estiver sua voz, menor a chance dela se tornar aguda de mais.
  4.  Abra a boca para falar: A dicção tende a ficar mais travada sob estresse. Antes de falar, alongue a musculatura labial e facial, fazendo “caretas” e faça movimentos rotatórios com a língua. Para que suas palavras possam se projetar para o ambiente é preciso que a boca libere espaço. Aproveite a movimentação naturalmente necessária para a produção de cada som da fala e abra espaço para que suas palavras saiam de sua boca bem articuladas.

Aos poucos, essas sensações vão diminuir e você verá que vai ficar cada vez mais raro você “travar”.  E o principal, verá que todo seu esforço valeu a pena, e vai colher os frutos que uma boa comunicação pode nos proporcionar.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.