Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Quatro dicas para valorizar seu visual nas videochamadas

O poder do visual no resultado final da nossa comunicação não é algo novo. Tem sido objeto de estudos há muito tempo

Recentemente, fizemos uma enquete bem informal, pelos Stories do Instagram, que gerou muito engajamento. Ao todo foram seis perguntas, mas quero aqui destacar uma delas: “Você está satisfeito com sua imagem pessoal?” Apenas 2,7% afirmou não estar satisfeito e não ligar pra isso . Todos os demais demonstraram algum interesse no tema. Quase 30% se declararam não satisfeitos, mas gostariam de saber como melhorar sua imagem pessoal. Apenas 10% se declararam totalmente satisfeitos. E a grande maioria (56%) respondeu que estava satisfeito, mas achava que sempre é possível melhorar. Isso mostra que, ao menos intuitivamente, damos algum crédito à força da nossa Imagem Pessoal.

Mas, o poder do visual no resultado final da nossa comunicação não é algo novo. Tem sido objeto de estudos há muito tempo. Uma das pesquisas mais antigas e polêmicas foi desenvolvida por Albert Merabian, engenheiro, psicólogo e professor na Universidade da California (UCLA). É dele a afirmação de que o resultado do que comunicamos, depende apenas em 7% das palavras que escolhemos, ou seja, da parcela “verbal” da nossa comunicação. Os outros 93% pertenceriam ao campo da parcela “não verbal” e estariam divididos entre a nossa comunicação corporal (55%) e os elementos relacionados a entonação da nossa voz, como volume, ritmo, pausas, entre outro (38%).

Não nos cabe aqui questionar a pesquisa, mas o senso comum consegue reconhecer a importância do não verbal. Antes de ouvirmos as primeiras palavras de quem quer que seja, nossos olhos já captaram as primeiras mensagens. Não há como negar que as posturas, as expressões faciais e até mesmo o vestuário tem um peso enorme nos nossos primeiros julgamentos.  Conversei recentemente com a consultora e pesquisadora em Imagem Pessoal Clarice Dewes (@claricedewes) em um live intitulada “Impactos da imagem pessoal na Comunicação”. A conversa foi rica e bastante esclarecedora, e você pode assistir em nosso canal no Youtube.

 Mas acompanhe a seguir 4 dicas para melhorar sua imagem hoje mesmo:  

  1. APOSTE NO AUTOCONHECIMENTO: responda a si mesmo   que resultados você deseja, o que te traz satisfação pessoal e bem estar. Anote.
  2. ENCARE-SE: Arranje um espelho grande e coloque-o em um lugar iluminado. Olhe-se.
  3. ORGANIZE-SE: Abra seu guarda-roupas, separe as roupas que não usa mais ou que precisam de consertos. Organize as demais por cor ou por função (ex. partes de baixo, partes de cima, vestidos, casacos etc.)
  4. VALORIZE-SE NAS VIDEOCHAMADAS:  cuide do visual dos cabelos, use cores em detalhes como golas, colares, lenços ou acessórios. Aposte em novas armações de óculos.

Por fim lembre-se: Apenas o autoconhecimento nos permite enxergar que o resultado que desejamos vai além das aparências. É na harmonia entre o interno e o externo que mora a autenticidade. E somente a autenticidade é capaz de criar verdadeiros laços de conexão.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.