EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

11 de Julho de 2020

Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

O segredo do carisma

Não há mito nem mágica no tão sonhado “carisma”, mas exige profundo autoconhecimento e foco naquilo que mais importa

Atrair, encantar, seduzir...Quem nunca sonhou em ter mais carisma?

Afinal de contas, o caminho para crescer na carreira e liderar costuma passar por esse tal “carisma”. Para definir o conceito dessa palavra, encontramos referências a um certo “dom da graça de Deus”, ou uma “força divina, conferida a uma pessoa”. É como se o carisma fosse um ingrediente místico encontrado nos nossos genes.

Mas será mesmo que as pessoas carismáticas ganharam na loteria genética?

A maioria dos pesquisadores não acreditam nesse legado genético. Não há mito nem mágica no tão sonhado “carisma”, mas exige profundo autoconhecimento e foco naquilo que mais importa. Tanto na nossa vida pessoal quanto na vida profissional.  E é justamente sobre o carisma na vida profissional, tão desejado para a progressão na carreira, que nós falaremos hoje.

Na minha atividade profissional sou frequentemente requisitada a ajudar pessoas, que julgam ter “baixo carisma”, a conseguirem fazer apresentações inspiradoras em público. E a primeira coisa que costumo observar é uma “baixa conexão” dessas pessoas com seu próprio tema. Não digo, aqui, que essas pessoas não conhecem seu tema. Elas simplesmente “esqueceram” qual é a sua verdadeira ligação com o tema.

É impressionante verificar como o tempo pode nos distanciar das nossas primeiras motivações, daquilo que nos levou a fazer o que fazemos hoje. Ficamos tão preocupados em executar bem as nossas tarefas do dia a dia que nos tornamos especialistas exatamente nisso. Seguimos pela vida, buscando fazer algo bem feito. Só que quando se trata de uma apresentação oral de um projeto, uma ideia ou um produto, não existe um protocolo pronto. Não basta seguir as regras e fazer bem feito. É preciso mais do que isso para envolver uma plateia. Daí, precisamos fazer o caminho inverso, voltar no tempo e fazer algumas perguntas a nós mesmos.

  • Qual é a minha conexão com esse tema?
  • Qual é a historia que me trouxe até aqui?
  • Como é que meu produto ou serviço pode mudar a vida de outra pessoa?

Ao responder a essas perguntas, você lembrou seu cérebro de como o seu tema é importante pra você mesmo.

Eis aqui o segredo do carisma. É a paixão, é o que faz nosso coração bater mais forte. É a paixão que faz nosso olho brilhar.  Só que no dia a dia de nosso trabalho acabamos nos distanciando e esquecendo da nossa história e, consequentemente, da nossa paixão.

A partir daí, será um prazer preparar a sua apresentação e você ficará ansioso por compartilhar suas ideias com o seu público.  Porque bem mais importante que o seu produto, é a sua paixão pelo que você faz. É isso que te trará o tão sonhado carisma.

Talvez um dia você converse com o Carmine Gallo, autor de “TED falar, convencer, emocionar”, como fez Howard Schultz, fundador da Starbucks, que durante mais de 2 horas de entrevista, não citou uma única vez a palavra café. E isso não foi por acaso. O que o moveu Howard a criar a Starbucks não foi seu gosto por café, mas seu desejo de “criar um terceiro lugar entre o trabalho e o lar”. A paixão de Howard é atendimento ao cliente e não o café.

E você? Em que negócio está? O que faz seu olho brilhar? O que faz seu coração bater mais forte?

Relembrar qual foi a paixão que nos trouxe até aqui é libertador.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.