Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

3 dicas para melhorar a fala acelerada

Nosso ritmo de fala diz muito sobre o nosso ritmo interno, e consequentemente sobre o nosso modo de ser

Confiante, tranquila, ansiosa, irritante, estridente, melosa. A gente pode nem perceber, mas a nossa maneira de falar pode desencadear os mais diferentes adjetivos. Tudo acontece de forma não consciente, mas enquanto ouvimos alguém falar uma parte do nosso cérebro se ocupa em classificar o que ouve. Algumas vezes temos consciência disso, outras vezes, não. Algumas características da nossa maneira de falar são positivas. Costumamos gostar de ouvir pessoas que falam de forma clara, com boa dicção. Também gostamos de vozes graves e bem moduladas. Já as vozes estridentes podem gerar desconforto ao ouvinte. Da mesma forma, há outra característica que costuma ter um impacto bastante negativo: a velocidade.

Quando é lenta demais, se torna monótona e gera impaciência em quem ouve. Quando é rápida demais, transparece ansiedade ou nervosismo. Nos dois casos, o impacto é negativo. No entanto, a fala rápida pode ter um impacto negativo adicional, que é a dificuldade na compreensão.

Por conta disso, sou frequentemente solicitada a responder à seguinte pergunta: “geralmente, quando fico nervoso, acabo falando de uma forma muito acelerada. Sinto que tenho o pensamento acelerado. Ideias boas, mas não consigo me fazer compreender. O que devo fazer?”

Em primeiro lugar, precisamos entender que nosso ritmo de fala pode se alterar quando estamos nervosos ou ansiosos por um motivo específico. Nesse caso, teríamos uma fala acelerada, por exemplo, ao apresentarmos um projeto, porque estamos desconfortáveis com aquela situação, e queremos que ela acabe logo.

Mas, quando falamos de um ritmo que é habitualmente muito lento ou muito rápido, estamos falando de uma associação da nossa fala com nosso ritmo interno. Pessoas calmas e tranquilas costumam falar mais lentamente. Já pessoas mais preocupadas e ansiosas frequentemente tem ritmo de fala mais acelerado. Em outras palavras, nosso ritmo de fala diz muito sobre o nosso ritmo interno, e consequentemente sobre o nosso modo de ser. Por conta disso, dificilmente conseguiremos inverter esses padrões. Dificilmente viramos a chave de uma pessoa que tem um ritmo de fala lento para o ritmo rápido. E mais dificilmente ainda, conseguiremos fazer uma pessoa que fala rápido, passar a falar de forma mais lenta. Mas é possível fazer alguns ajustes, principalmente para os que falam mais rápido, e conseguir transformar o impacto de “ansiedade” em “agilidade”. Vamos lá:

  1. Tome as rédeas das suas ideias: pessoas ansiosas não apenas falam rápido como tendem a falar muito, pois tudo parece muito urgente e importante. Coloque todas as suas boas ideias em uma lista por ordem de prioridades e fale uma coisa de cada vez.
  2. Faça pausas e respire: Nossos interlocutores precisam não apenas entender o que estamos falando, mas precisam processar as informações. Lembre-se disso e dê a eles, tempo para isso. Faça pequenas pausas e aproveite para respirar.
  3. Articule bem: Na pressa de falar, as pessoas mais ansiosas dão pouco tempo para a abertura da boca e para a movimentação adequada da língua dentro da boca. Então, lembre-se de abrir a boca e dar o tempo necessário para a articulação de cada sílaba.

Fique atento da próxima vez que for falar, e passe seu recado com tranquilidade, sem pressa!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.