Caio França

Tem 32 anos e foi reeleito deputado estadual com 162.166 votos. É advogado formado pela Universidade Católica de Santos. Foi o vereador mais votado da história de São Vicente. É presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e coordenador da Frente Parlamentar de Apoio a Baixada Santista e Vale do Ribeira.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Vale do Ribeira solicita abertura urgente de novos leitos de UTI Covid

Em videoconferência, vereadores e lideranças da região solicitaram agilidade do governo estadual na ampliação de leitos no Hospital Regional de Registro

Durante uma videoconferência realizada ontem (30) com mais de 20 vereadores e lideranças da Região do Vale do Ribeira foi solicitada agilidade do governo estadual na ampliação de leitos exclusivos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratamento de pacientes com Covid-19, em decorrência do agravamento da pandemia, no Hospital Regional de Registro (HRR) e de novos leitos clínicos que possam atender os casos de pacientes recém-liberados da UTI  que necessitem da continuidade de assistência médica, em especial no caso de sequelas que porventura possam ser deixadas pela doença.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

A gestão do hospital é estadual, porém terceirizada para a Organização Social Instituto Sócrates Guanaes. A unidade tem área física suficiente para abranger a ampliação de 40 leitos, de acordo com informações da DRS-12 (Departamento Regional de Saúde de Registro), uma vez que um andar do prédio permanece inutilizado. 

De acordo com os vereadores, o desafio está em equipar e ampliar a equipe técnica. A situação atual da região é extremamente delicada, com 36 pacientes aguardando leitos, sendo oito de UTI e 28 de leitos clínicos. Os parlamentares destacaram que os 14 leitos clínicos recém disponibilizados por determinação da Secretaria Estadual de Saúde não são novos, mas adaptados para leitos Covid, o que demandou a suspensão de todas as cirurgias eletivas e de 60% do atendimento ambulatorial no único hospital de atenção secundária.

Os vereadores lembraram ainda que dos 34 cilindros de oxigênio prometidos pelo Estado à região, foram entregues apenas 16. Eles destacaram que a entrega dos outros 18 são essenciais neste momento. 

Como membro da Comissão de Saúde da Alesp, já levei essa situação ao conhecimento dos demais parlamentares e ao secretário Estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, pedindo especial atenção na abertura específica de novos leitos Covid-19 e envio de materiais e insumos, equipamentos, cilindros de oxigênio e toda estrutura necessária para reforçar o atendimento da região. Também vou solicitar uma reunião virtual com os diretores responsáveis pela ampliação dos convênios no HRR.

Na semana passada, mediante diversas denúncias e reclamações da população do Vale do Ribeira, também pedi explicações e esclarecimentos à referida pasta por meio de requerimento de informações minucioso listando a relação nominal dos pacientes atendidos, cidade de origem e especificações de localização do leito. A finalidade é dar transparência ao processo de internação nesse estágio crítico da pandemia em que as vagas passam a ser disputadas por todas as cidades que compõem a região, além de municípios de fora.

Dessa forma, ainda que o governo estadual tenha vetado no início de março o meu projeto de lei de conceder mais transparência na regulação de vagas hospitalar e ambulatorial pela CROSS (Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde), uma propositura essencial neste momento de crise gerado pelo avanço da pandemia, de falta de leitos, de colapso na saúde pública, continuarei utilizando todas as ferramentas do mandato legislativo para monitorar e fiscalizar as falhas de atendimento e acionar todos os órgãos competentes para solucioná-las.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.