EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

12 de Dezembro de 2019

Caio França

Tem 31 anos e foi reeleito deputado estadual com 162.166 votos. É advogado formado pela Universidade Católica de Santos. Foi o vereador mais votado da história de São Vicente. É presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e coordenador da Frente Parlamentar de Apoio a Baixada Santista e Vale do Ribeira.

A Baixada Santista no radar da economia criativa no mundo

Santos tornou-se referência no assunto ao premiar a população com um trabalho de excelência e ter sido eleita a cidade sede do Encontro Anual de Cidades Criativas da Unesco

A economia criativa tem estado cada vez mais presente nas políticas públicas, com importante demonstração de empenho e dedicação dos gestores em contribuir para a sua discussão, difusão e consolidação, especialmente em tempos de crise no qual o país mergulhou.

Considera-se economia criativa o setor formado pelo conjunto de atividades econômicas relacionadas à produção e distribuição de bens e serviços, de valor cultural, intelectual, social e artístico, que utiliza a criatividade, a inovação e as habilidades individuais ou coletivas como insumos primários.

Atento ao crescimento do setor na economia brasileira, que representa 2,6% do PIB nacional, em 2017, apresentei o Projeto de Lei nº  278, que institui a Política de Incentivo à Economia Criativa no Estado de São Paulo, mediante a adoção de ações como a produção de informação, conhecimento e ampla divulgação sobre a economia criativa; formação para profissionais e fomento aos empreendimentos criativos; criação e adequação de marco legal e institucionalização do tema.

Na mesma linha, também apresentei o Projeto de Lei nº 487/2018, que disciplina a promoção, o fomento e o incentivo do audiovisual no estado. Ambos ainda tramitam na Assembleia. O objetivo das proposituras é incentivar e fortalecer o setor, oferecendo os instrumentos e investimentos necessários, formando mão de obra, estimulando a troca de experiências e o trabalho em rede, além de proporcionar espaços de coesão social, com a finalidade de potencializar iniciativas existentes e auxiliar na implantação de novas experiências.

E por falar em iniciativas pioneiras e inovadoras, Santos tornou-se referência no assunto ao premiar a população com um trabalho de excelência, e ter sido eleita a cidade sede do Encontro Anual de Cidades Criativas da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que será realizado em junho de 2020.

Pela primeira vez, o evento será realizado na América Latina. E pela primeira vez, uma cidade sem status de capital de estado sedia o encontro. É certamente o reconhecimento do trabalho desenvolvido pelo setor criativo do município, que há quatro anos é também membro da Rede de Cidades Criativas da Unesco, ao lado de Barcelona, Sevilha, Granada (Espanha), Roma (Itália), Sidney (Austrália), Toronto, Quebec e Montreal (Canadá).

A escolha foi motivada pela quantidade de festivais; cursos técnicos, de graduação e especialização; além de salas de exibição de filmes no município. Também integram os critérios de seleção as mais de 400 produções audiovisuais e projetos de inclusão social, como as denominadas Vilas Criativas.

O evento é um marco para o Estado de São Paulo e para o Brasil, atraindo turistas das mais diferentes nacionalidades, culturas e costumes, injetando dinheiro na economia regional e levando a diversidade, a riqueza e o potencial de vocações, atrativos e atividades turísticas, históricas e culturais presentes nos municípios que compõem a região metropolitana para o mundo.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.