EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

19 de Julho de 2019

Ângela Cotrofe

É neuropsicopedagoga.

A cognição e afetividade

O tema tratado tem como intenção, despertar a importância da educação pautada no respeito e no amor sensível e humanizado

Vou compartilhar nesta matéria, de forma clara e profunda, o tecer afetividade e a racionalidade na educação para a formação de indivíduos livres, críticas, responsáveis e amorosos, cuja vida seja pautada nos princípios de reciprocidade e cooperação, visando a construção de um mundo melhor.

O tema tratado aqui tem como intenção, despertar a importância da educação pautada no respeito e no amor sensível e humanizado, que permita o sujeito construir sua história pessoal saudável.

Quero tocar o educador que esteja aberto às mudanças que refletem sua busca constante de aperfeiçoamento e harmonia, que acredite no poder da educação, sem, contudo duvidar que esse poder seja ilimitado e que atinja o comprometimento com o desenvolvimento do SER em sua totalidade.

O tema que me toca profundamente, pois tenho tentado promover uma visão humanista do mundo. Tenho a percepção que também estou aqui para, de certo modo, compreender o mundo.

Venho me dedicando a observar a desorganização de um sistema biofisicopsíquico em muitas crianças.

Trabalhar na reconstrução do aprendizado de uma vida saudável minimiza vários sintomas.

Qual seria, então, a influência dos aspectos afetivos no processo do ser humano?

Sugiro a construção deste pensamento iniciando com um ato de amor.

Esse pensamento tem me levado ao estudo das articulações entre inteligência e afetividade e suas possíveis reações.

Conhecemos um mundo externo, imenso, estruturado a partir de culturas e regras preestabelecidas. Esquecemos nosso mundo interno, da mesma forma grandioso, não somente nas áreas cognitivas, mas também nas áreas afetivas?

Proponho pensar, como aproveitar essas relações na prática da educação da criança para desenvolver o cognitivo, e também para buscar o afeto e o equilíbrio para se auto- perceber e assim desenvolve a leitura do mundo, percebendo e respeitando o outro com afetividade e inteligência.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.