EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

6 de Agosto de 2020

Alexandre Catena Volpe

Acadêmico do quinto ano do curso de Medicina da Universidade Metropolitana de Santos. Foi Diretor do Comitê de Saúde Pública da International Federation of Medical Students Brazil - Comitê Unimes e, atualmente, é Presidente do Centro Acadêmico Dr. José Martins Fontes (C.A.M.F.) e da Liga Acadêmica de Medicina Legal. Fundador do programa Giovana Pascoal de Combate ao Câncer em parceria com a Giovana Pascoal e Coordenador da Comissão de Saúde Pública e Ação Social do NJE da Ciesp Santos.

Estudantes de Medicina promovem mutirão da saúde em lixão de São Vicente

Ação aconteceu neste sábado (11), das 9h30 às 13h, no Sambaiatuba

Ainda que não possam atuar na linha de frente no combate ao Covid-19, os estudantes de Medicina da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes),  ligados ao Centro Acadêmico Dr. José Martins Fontes (C.A.M.F.) buscam cada vez mais a humanização da profissão, promovendo ações e mutirões para as populações mais carentes da Baixada Santista. 

Depois de 20 mutirões realizados na região, agora o foco é para uma parcela muitas vezes esquecida do poder público. Cerca de 20 estudantes da graduação da Unimes estiveram de prontidão no último sábado (11/07/2020), em um mutirão segmentado às mulheres que trabalham no Parque Ambiental Sambaiatuba (antigo lixão de São Vicente). 

Ação aconteceu neste sábado (11), das 9h30 às 13h, no Sambaiatuba (Foto: Divulgação)

Na ocasião, os alunos realizaram anamnese (entrevista e análise clínica dos pacientes), aferição de pressão arterial, glicemia, IMC, orientação sobre DSTs e distribuiram kits de higiene, com pastas e escovas de dente, sabonete, desodorante e absorvente para as mulheres. A ação é uma parceria entre o C.A.M.F., o  Instituto Pró-Mulher, cooperativa de reciclados do lixão do Sambaiatuba com apoio da Prefeitura de São Vicente e da Unimes.

“Ao longo dos anos de graduação, nunca fizemos uma ação assim, tão focada. Dessa vez, será para mulheres que trabalham no lixão de São Vicente e nós, como estudantes, tivemos uma experiência muito enriquecedora. Levamos  atendimento médico, conhecemos um pouco da história de cada pessoa que trabalha lá,  além de vivenciar uma realidade que precisa da atenção da população,, ainda mais em tempos da pandemia do Covid-19”, comenta o estudante do 5º ano de Medicina, Alexandre Catena Volpe, que também é presidente do Centro Acadêmico Martins Fontes (CAMF-Unimes).

Presidente do Instituto Pró-Mulher, Nara Santana, “Somos uma ONG que cuida de mulheres que sofrem violência doméstica ou que estão em estado de abandono. Por isso, é uma grande satisfação essa parceria com a Unimes, porque são alunos, pessoas que vão cuidar de pessoas. Nosso DNA é pessoas cuidando de pessoas. A mulher é um pilar, e ela bem cuidada, vai poder cuidar dos filhos, estruturar bem a sua família. E essas mulheres precisam ser melhor cuidadas”, explica.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.