EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

18 de Setembro de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

'Vovó mochileira' de Guarujá vende tudo o que tinha e passa um ano viajando

Ana Laura Queiroz se aposentou e resolveu meter o pé na estrada. Foram mais de 120 cidades, novas amizades e experiências para alguém que nunca tinha viajado sozinha

Esqueça o crochê, a cadeira de balanço e a xícara de café. Sabe aquela vovó fofinha, de desenho animado, que vive apenas para cuidar dos netinhos? Pois é. Essa avó clichê é, cada vez mais, coisa de desenho animado.

Não que elas não continuem sendo as pessoas mais especiais do mundo. É claro, também, que elas continuam cuidando dos netos. Verdade, também, que o tempero continua na medida e aquela mesadinha no fim do mês segue sendo tradição.

A diferença, agora, é que elas querem muito mais do que um estereótipo. Querem dançar, sair com as amigas, namorar e, principalmente, viajar. Experimente. Faça qualquer viagem e você observará dezenas e mais dezenas de aposentados desbravando esse mundão.

A aposentada Ana Laura Queiroz, moradora de Guarujá, é um exemplo perfeito e levou seus objetivos ao extremo. Ela vendeu absolutamente todos os bens materiais que tinha para viajar pelo Brasil e, em um ano na estrada, conheceu todos os 27 estados.

Vovó mochileira conheceu todos os 26 estados brasileiros e o Distrito Federal (Foto: Arquivo pessoal)

Ana Laura ficou viúva há alguns anos e decidiu recomeçar a vida na Baixada Santista. Em 2016, se aposentou, definitivamente, e resolveu meter o pé na estrada. Foram mais de 120 cidades conhecidas, novas amizades e experiências para alguém que nunca tinha viajado sozinha.

Como mochileira, ela levou apenas as roupas, um pouco de dinheiro e documentos pessoais. Durante a viagem, foi acolhida por diversas pessoas. "Foi uma troca maravilhosa de experiências. Eu refleti e aprendi muito. Jamais esquecerei", disse ao G1.

Após a viagem, nada de agulho e crochê. Ana Laura decidiu alugar uma casa em Bertioga e começou a se dedicar a escrever um livro sobre sua trajetória, contando todas as suas experiências e estimulando aposentados a fazerem o mesmo.

Inspiradora!

"Foi uma troca maravilhosa de experiências. Eu refleti e aprendi muito", disse Ana Laura (Foto: Arquivo pessoal)
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.