Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Vírus misterioso que causa pneumonia mortal surge na Ásia e é mais grave do que o coronavírus

Autoridades do Cazaquistão já estão estudando o problema para tentar entender como ele surgiu

A embaixada da China no Cazaquistão alertou as autoridades de saúde locais, na última quinta-feira (9), por conta do surgimento de um vírus capaz de gerar uma pneumonia com danos ainda mais severos do que o coronavírus e com uma altíssima taxa de mortalidade. Até agora, 1.772 pessoas morreram desde o início do ano.

Segundo o comunicado dos chineses, a pneumonia vem fazendo vítimas há seis meses. Apenas no mês de junho, porém, ela acabou se alastrando e matou 628 pessoas, com uma taxa de mortalidade muito superior a da Covid-19. Autoridades do Cazaquistão já iniciaram pesquisas para entender o comportamento da síndrome.

Clique aqui e receba outros vídeos curiosos 

Em um comunicado divulgado nesta sexta-feira (10), o Ministério da Saúde do Cazaquistão reconheceu a presença de 'pneumonias virais de etiologia não especificada', mas não confirma que o surto seja novo ou desconhecido. Os registros dos infectados começará a ser publicado nos próximos dias para que exista um novo estudo sobre o vírus por parte da comunidade científica.

Mais um?

Recentemente, um novo vírus da gripe com potencial pandêmico e mortal foi descoberto por especialistas na China. Ele foi batizado de G4 EA H1N1 e pode crescer e se multiplicar nas célular que revestem as vias aéreas humanas. O vídeo que abre esse post traz os detalhes desse assunto.

Segundo o comunicado dos chineses, a pneumonia vem fazendo vítimas há seis meses (Foto: Reprodução)
Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.