EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

22 de Outubro de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Time do Google visita Santos e anuncia serviço inédito para motociclistas

Modo de navegação para motocicletas vai ajudar os usuários que utilizam esse tipo de transporte

O Google Maps lançou, nesta quinta-feira (26), duas novas funcionalidades exclusivas que passam a ser oferecidas em todo o Brasil. O modo de navegação para motocicletas vai ajudar os usuários que utilizam esse tipo de transporte. Além dele, o Google também lançou a função “Viajar com Segurança”, que avisa o usuário caso ele saia da rota estipulada. O anúncio das duas novidades ocorreu em Santos, no litoral de São Paulo. As informações são da repórter Mariane Rossi, do G1.

De acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em 2018, havia mais de 26 milhões de motos no Brasil, cerca de uma moto para cada 8 habitantes. Em São Paulo, 15% dos veículos são motos. Já Santos tem cerca de 30% da sua frota de veículos composta por motocicletas. A Baixada Santista é a região metropolitana com o maior número de motos.

Segundo o gerente de produto do Google Maps, André Kowaltowski, diante desses dados, foi possível identificar que havia uma demanda por informação por parte dos motociclistas. Por isso, o Google resolveu trazer um recurso especial para estes usuários. A Índia foi o primeiro país a adotar a navegação para motocicletas. O serviço, agora, também está disponível no Brasil.

O Google Maps passa a mostrar as opções de rotas para os donos dos veículos de duas rodas e o tempo estimado de viagem por meio da função moto. O aplicativo traz estimativas diferenciadas e rotas otimizadas. A intenção é ajudar o usuário a escolher qual a melhor forma e mais rápida de chegar ao seu destino.

Na cidade de Santos, 30% da frota de veículos é de motos (Foto: Mariane Rossi/G1)

"Os carros estão andando e as motos, às vezes, não podem andar na mesma velocidade. Tem algumas vias onde pode dirigir de carro, mas não pode dirigir de moto. Levando todas essas informações, damos estimativas diferenciadas e rotas otimizadas de acordo com o trânsito e com suas restrições", disse Kowaltowski.

As informações do aplicativo são fornecidas com base no comportamento dos usuários e, também, utilizando sistemas de inteligência artificial. "Mesmo sem saber o que aconteceu, fechamos aquele trecho e damos rotas alternativas. Em geral, algum usuário submete um incidente para a gente saber. Usamos muito a inteligência artificial para também irmos detectando problemas. A medida que a gente traça rotas, de acordo com a legislação local, isso também impacta na segurança".

Pensando nos usuários de táxi e em motoristas de aplicativo, o Google também lançou a função “Viajar com segurança”. A ferramenta permite que o usuário seja avisado caso o veículo saia da rota estipulada por ele. "Você tem o conforto e a segurança de não precisar ficar prestando atenção e o Google Maps te ajuda a ficar mais seguro", disse.

No aplicativo, depois de pesquisar o destino e selecionar a rota desejada, o passageiro pode habilitar a função “Viajar com Segurança” e “Alertas de desvio de trajeto”. Se o motorista desviar mais de 500 metros da rota, o aplicativo envia uma notificação ao usuário para mostrar a localização do veículo e comparar o trajeto selecionado anteriormente.

O usuário também pode compartilhar a viagem em tempo real com amigos e familiares para que eles acompanhem a rota e possam tomar medidas, caso necessário. É possível fazer isso no começo ou durante a viagem, caso o motorista desvie do trajeto.

André Kowaltowski, Gerente de produto do Google Maps (Foto: Mariane Rosse/G1)
Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.