Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Remédio brasileiro pode salvar pacientes com câncer e coronavírus

Medicamento já é estudado pela Unicamp há algum tempo e, além da eficácia contra tumores na bexiga, também pode ser efetivo conta o Covid.

Pesquisadores da Unicamp podem estar próximos de uma descoberta sem precedentes para a medicina brasileira. O imunoterápico 'OncoTherad', testado há alguns anos em pacientes com graves quadros de câncer na bexiga, se mostrou eficaz no combate ao coronavírus em cinco idosos que foram infectados pela doença. No vídeo acima, a gente conta um pouco mais sobre a história desse remédio.

Clique aqui para receber outros vídeos curiosos de forma gratuita!

O medicamento, que já mostrou eficácia em pacientes oncológicos, passará a ser testado, nos próximos dias, para que os cientistas tentem comprovar a eficácia contra a Covid-19. Caso o remédio mostre um desempenho satisfatório, ele teria o poder de desafogar o Sistema Único de Saúde (SUS), já que, nos testes com o pequeno grupo, o tempo de internação e recuperação foi reduzido em quase 50%. Os estudos devem durar cerca de um ano.

Outra pesquisa

Mais cedo, a BBC divulgou outra notícia bastante animadora. O medicamento 'Dexametasona' está sendo considerado um grande avanço na luta contra o coronavírus. De acordo com as primeiras informações, a droga reduziu o risco de morte em um terço para pacientes em ventiladores e, para quem usa oxigênio, em um quinto.

O medicamento já é utilizado para reduzir a inflamação em uma variedade de outras condições, e parece que ainda ajuda a interromper alguns dos danos que podem ocorrer quando o sistema imunológico do corpo entra em ação, enquanto tenta combater o coronavírus.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.