EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

16 de Novembro de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Menino da Baixada Santista 'vira' Milena aos 9 anos com apoio da família

A história é de Mongaguá, no Litoral Sul. Antes Eros Gerassi, Milena te apoio irrestrito de familiares

Em meio a tantas notícias ruins, algumas histórias ainda surgem, meio que do nada, para mostrar que ainda há muita gente boa espalhada por aí. Moradora de Mongaguá, Andrea Gerassi é uma MÃE no mais amplo significado que essa palavra pode ter.

Andrea é mãe da Milena. Aos nove anos, quando ainda se chamava Eros Gerassi, Milena, com o apoio irrestrito dos pais, passou por um processo de transformação, já que não se identificava com o gênero masculino e, até por conta disso, era constantemente humilhada na escola.

Segundo Andrea, Eros, ainda como menino, sempre preferiu os brinquedos das irmãs e, também, usava as roupas destinadas para as meninas da casa. "Lembro que ela foi chorando para o banho após contar que não queria mais ser um menino. Depois, ela disse que não era pedra. Que era um cristal".

Essa história foi contada pelas repórteres Isabela Madeira e Yasmin Vilar que, brilhantemente, conseguiram transformar um caso bastante complexo em algo simples e, principalmente, emocionante de se ler. É impossível não se emocionar com a maturidade da família na abordagem ao assunto.

Desde muito cedo, a família imaginava que Eros era homossexual, mas nunca imaginou que ele poderia ser transgênero.

Em um dos pontos mais emocionantes do bate-papo, a mãe de Milena afirma que a filha sempre foi livre para brincar do que quisesse. Mais ainda, Andrea entende que brinquedos não tem gênero.

Hoje, quando paro para conversar com amigos e amigas que já possuem filhos, é muito comum observar um comportamento de rejeição quando um menino pega uma boneca ou uma menina um carrinho, por exemplo. Esse conceito de certo e errado, muitas vezes carregado de preconceito, é algo que não existiu na família de Milena e, por isso, todos à sua volta agem com tamanha naturalidade, inclusive a própria Milena.

Reescrevo, aqui, uma das frases mais impactantes da entrevista de Andrea. "Mães de crianças trans escondem seus filhos para não mostrar para a sociedade. Não basta aceitar. Nós mostramos porque acolhemos a Milena", afirma. Muitas mães, porém, não escondem as crianças por vergonha e, sim, pelo cruel julgamento da sociedade.

Desejo muita luz pra essa família. Hoje, aos 10 anos, Milena já começou a entender o significado de ser trans e, infelizmente, alguns preconceitos que, por conta da ignorância alheia [e também maldade], vai ter que lidar ao longo da sua vida. Espero realmente estar errado e que, amanhã, ao acordarmos, as pessoas estejam mais tolerantes e com mais amor.

Milena ao lado de sua mãe, Andrea Gerassi (Foto: Arquivo Pessoal)
Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.