EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

18 de Julho de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Membros da Ndrangheta, poderosa máfia italiana, são presos em imóvel de 'cinema' em Praia Grande

O grupo mafioso, baseado na região da Calábria, no sul da Itália, controlaria, segundo a PF, 40% dos envios globais de cocaína

A Polícia Federal prendeu, na manhã desta segunda-feira (8), dois italianos suspeitos de serem membros da máfia italiana ‘Ndrangheta’. Ambos, encontrados em Praia Grande, são acusados de pertencerem ao braço da máfia na América do Sul. Segundo a PF, eles devem ser extraditados.

O grupo mafioso, baseado na região da Calábria, no sul da Itália, controlaria, segundo a PF, 40% dos envios globais de cocaína, sendo o principal esquema criminoso importador para a Europa. A operação foi batizada como ‘Barão Invisível’.

Segundo apurado, um dos presos já tem condenação por tráfico e associação ao tráfico de drogas na Itália, com pena fixada em 14 anos de prisão. O outro suspeito ocupava três apartamentos na cobertura de um prédio de alto padrão em Praia Grande.

De acordo com a Polícia Federal, ambos estavam foragidos desde 2014, havendo notícia de que passaram por Portugal e Argentina, utilizando-se de nomes falsos para fixar residência nos países.

Apartamento que eles moravam em Praia Grande possuía um sofisticado sistema de vigilância (Foto: Arquivo pessoal/Aureo Gil)

O apartamento que eles moravam em Praia Grande possuía um sofisticado sistema de vigilância, com câmera de 360º na área externa, o que possibilitava identificar todas as pessoas que acessavam o prédio.

Segundo a polícia, foram encontradas duas pistolas, dinheiro em espécie e vários veículos. Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, a pedido da Representação da Polícia Federal junto à Interpol, em cooperação à Polícia Italiana.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.