EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

11 de Agosto de 2020

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Médicos já tiraram mais de 100 larvas que comiam cabeça de morador de Praia Grande; Imagens fortes

Segundo familiares, feridas na cabeça de Evaldo Araújo, de 49 anos, estão cicatrizando

O tratamento do pedreiro que teve a cabeça infestada por larvas que comiam seu couro cabeludo em Praia Grande, no litoral de São Paulo, está próximo do fim. Segundo familiares de Evaldo Araújo, de 49 anos, mais de 100 parasitas foram retirados da cabeça do rapaz até a manhã deste sábado (1). As feridas já estão cicatrizando.

A esposa do paciente, Quesia Andrade Alves, de 25 anos, divulgou, neste sábado, imagens que mostram alguns dos parasitas retirados da cabeça do marido. Nas fotos, e também, nos vídeos, é possível ver que os animais ainda estão vivos.

"Na última consulta não encontraram mais nenhum bicho na cabeça dele. Os buracos que as larvas abriram já estão até fechando e, graças a Deus, ele parou de sentir qualquer tipo de dor. Estão passando um remédio interno e uma pomada" disse Quesia em entrevista ao G1.

Larva é rara na Baixada Santista e costuma aparecer em áreas mais afastadas (Foto: Reprodução)

De acordo com o neurocirurgião João Luis Cabral, a larva é rara na Baixada Santista e, geralmente, aparece em áreas mais afastadas. Normalmente, ela afeta cachorros, bois e vacas, especialmente os que vivem em zonas rurais. Um dos motivos do aparecimento delas é a falta de recursos básicos sanitários e higiene.

Uma das formas de contágio é por meio de uma mosca que transporta a larva ao pousar em um animal infectado. Em seguida, ela carrega o parasita e, ao ter contato com um humano com algum ferimento, acaba causando a infestação. Neste caso, a melhor maneira de se eliminar o problema é com antibióticos.

Feridas na cabeça de morador após a descoberta das larvas. Ferimentos estão cicatrizando (Foto: Arquivo pessoal) 
Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.