Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Mãe se desespera com desaparecimento misterioso de jovem em Praia Grande

Adriano tem 24 anos e trabalhava como entregador. Ele não é visto há um mês.

O desaparecimento do entregador de aplicativo Adriano Paes, de 24 anos, continua intrigando as autoridades policiais em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Nesta sexta-feira (8), se completa um mês desde que ele sumiu misteriosamente e nunca mais entrou em contato com familiares.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Familiares perdem, aos poucos, a esperança de achar o rapaz com vida. "Estou um pouco sem esperança de encontrá-lo vivo, mas precisamos saber ao menos o que aconteceu. Só assim teremos paz. Não vou ter paz sem notícias", desabafou a mãe do rapaz, Lucia Helena, ao G1.

Adriano morava há um ano na cidade e trabalhava vendendo e entregando açaí. Ele entrou em contato com a mãe, com quem falava regularmente, um dia antes de desaparecer. A última vez que foi visto, por uma vizinha, foi no bairro Vila Antártica. Ele teria dito que sairia para comprar refrigerante e desapareceu.

A família de Adriano garante que ele não tinha problemas e estava com todas as contas pagas, mas andava preocupado pois estava sem trabalhar por conta de um problema na motocicleta. "É horrível essa angústia de não saber o que aconteceu. É a pior dor que alguém pode ter. A gente não dorme direito, não come, eu choro todo dia", desabafa.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que o caso está sendo investigado pela 3ª Delegacia de Investigações sobre Homicídios de Santos. Buscas são feitas para localizar o desaparecido ou elementos que auxiliem no esclarecimento dos fatos.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.