Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Joe: A triste história da pomba-correio que 'furou' a quarentena e que deverá ser morta pelo governo

Autoridades australianas afirmam que a ave saiu dos Estados Unidos e representa um grande risco para a biosegurança.

Uma pomba-correio norte-americana que viajou cerca de 15 mil quilômetros com destino a Melbourne, na Austrália, está sendo 'ameaçada de morte' pelo governo do país da Oceania. 'Joe', como foi batizada, é acusada de furar o rígido regulamento de quarentena e acabou sendo considerada um risco para a população.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

De acordo com moradores, a ave, que saiu do Oregon, apareceu fraca e com fome em um quintal do subúrbio de Melbourne. O 'nome' Joe foi dado em homenagem ao presidente eleito Joseph Biden. Ela foi localizada, pela primeira vez, no dia 26 de dezembro com um papel pendurado em uma perna, o que confirmou a origem. Os próprios moradores alimentaram o animal.

Segundo o Ministério da Agricultura australiano, Joe criou um enorme problema para o País. "Não se sabe qual é a situação sanitária dessa ave. Não sabemos quem teve contato com ela antes de chegar até a Austrália e, principalmente, agora que chegou em nosso país", afirmou o governo em um comunicado.

O governo ainda complementa. "Ela representa um risco para a biosegurança, para a fauna australiana e, também, para a indústria avícola". Agora, o governo corre contra o tempo para sacrificar a ave, enquanto defensores dos animais tentam evitar a trágica morte de 'Joe'. Por conta disso, o caso ganhou grande repercussão na internet.

A história de Joe rodou o mundo e ganhou destaque nos principais veículos de comunicação do planeta. Para conferir a história completa, em inglês, basta acessar o site do The New York Times.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.