Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Fenômeno faz peixes agonizarem até a morte e preocupa especialistas

Incêndios gigantescos que aconteceram no Pantanal podem estar causando a alteração da água com drástica redução de oxigênio.

Milhares de peixes de mais de 40 espécies diferentes estão sendo mortos por um fenômeno que atinge uma região do Pantanal do Mato Grosso do Sul. Batizado de 'decoada', a situação extrema pode ter relação com as gigantescas queimadas que atingiram o Estado no ano passado e que destruíram uma área enorme do bioma local.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

De acordo com especialistas que estão estudando o fenômeno, a situação acontece no período de subida das águas dos rios do Pantanal. A situação é natural e não é rara. O problema é que, com a água 'vazando' para as planícies, o líquido está encontrando muita matéria orgânica deixada pelo rastro de destruição.

Essa matéria orgânica acaba deixando a água com pouco ou nenhum oxigênio e eleva a concentração de gás carbônico nos rios. Com isso, os peixes acabam morrendo 'sufocados' por conta da alteração na composição da água, que fica repleta de cinzas, fazendo com que os peixes tentem buscar a superfície em busca de ar.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.