EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

24 de Outubro de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Corrente de WhatsApp diz que mar de Santos acendeu pelo 3º dia seguido. Será?

Imagens compartilhadas nas últimas horas mostram o que seriam manchas azuis fluorescentes em praias da Baixada Santista

Nas últimas horas, começaram a rolar imagens, compartilhadas por meio de aplicativos de mensagens, mostrando o que seriam manchas azuis fluorescentes registradas em praias da Baixada Santista, principalmente em Santos.

Uma das mensagens diz o seguinte:

"Mar de Santos se acende pelo terceiro dia seguido. Fenômeno que deixa a água azul fluorescente é conhecido como bioluminescência. A natureza no esplendor da sua beleza. É de encher os olhos de lágrimas. Só quem estava lá mesmo para ver. Sem palavras... Feliz Julho de 2019. Deus abençoe'

As fotos realmente são impressionantes e não são falsas. O problema é que não são da nossa região, ao contrário do que milhares de pessoas tem compartilhado.

O fenômeno, conhecido como 'mar brilhante', ocorreu em 2015 em Hong Kong e, apesar de bonito, não é um bom sinal, já que pode significar poluição, além de ser potencialmente tóxico.

Esse fato foi retratado, lá atrás, pelo G1. O brilho é um indicador da proliferação de um organismo unicelular, chamado Noctiluca scintillans, que parece uma alga mas, tecnicamente, pode funcionar como um animal ou uma planta.

Em Junho de 2016, esse fenômeno realmente ocorreu por aqui. A luminosidade nas ondas foi registrada durante a madrugada. Alguns 'sortudos' de plantão conseguiram fazer o registro que, na época, impressionou muita gente mas, infelizmente, foi observado por poucas pessoas.

Fenômeno é conhecido 'mar brilhante' (Foto: Reprodução)
Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.