EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

11 de Agosto de 2020

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Bebê nasce 'empelicado' e emociona médicos em caso extremamente raro em Santos

Para se ter ideia do quanto isso é incomum, segundo obstetras, a situação ocorre em apenas 1 a cada 80 mil partos

Um bebê que nasceu no último sábado (22) em Santos, no litoral de São Paulo, veio ao mundo após um parto extremamente raro. O pequeno Lucas Fernandes Costa, que nasceu às 11h55 no Hospital Ana Costa, estava 'empelicado', ou seja, com a bolsa amniótica intacta. Para se ter ideia do quanto isso é incomum, segundo obstetras, a situação ocorre em apenas 1 a cada 80 mil partos.

Lucas é filho da empresária Janaína Fernandes Costa, de 34 anos. Ao G1, ela contou que, na hora, não conseguiu entender o que estava acontecendo, mas rapidamente notou a animação dos médicos e enfermeiros que começaram a filmar e tirar foto da situação. "No parto normal é raro e sem explicação. Na cesárea acontece para proteger o bebê", conta o obstetra Guilherme Martins.

"Já vi isso em caso de prematuros extremos. Em uma gestção a termo nunca vi. Eu, como obstetra, apesar de já ter participado do nascimento de muitas crianças, procuro ver o parto, independente de vaginal ou cesárea, como um evento único e especial para aquela família", completa Guilherme.

Janaína ficou surpresa com a situação. "Eu desconhecia essa possibilidade e fiquei impressionada quando pesquisei, ainda mais por saber a raridade. Depois que passou o efeito da anestesia, o obstetra me explicou tudo. Eu só vi que ele nasceu empelicado pelo vídeo. Achei a coisa mais linda e fiquei emocionada", finaliza.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.