Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Bailão do Covid em São Vicente com show de MC reúne centenas e revolta moradores

Polícia Militar precisou ser acionada nesta segunda-feira (14) para conter a multidão.

Para alguns moradores do litoral de São Paulo, a pandemia do coronavírus parece ter realmente acabado. É absolutamente normal que, após mais de seis meses, as pessoas comecem a retomar suas atividades e não há absolutamente nenhum problema com relação a isso.

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Particularmente, acho saudável as pessoas fazerem suas caminhadas na praia, afinal, Vitamina B faz bem para o corpo. O que não é saudável, de fato, são milhares de pessoas inconsequentes se aglomerando, sem qualquer tipo de cuidado, em festas ilegais que ocorrem quase que diariamente por aí.

Cada pessoa tem livre-arbítrio e, desde que não invada o espaço do outro ou prejudique alguém, pode fazer o que bem entender. O problema não é essas pessoas se contaminarem. É elas contaminarem outras pessoas, como amigos e familiares que, ao contrário deles, seguem tomando todos os cuidados.

Na última segunda-feira (14), mais uma vez, centenas de jovens se aglomeraram dentro de uma casa noturna em São Vicente. Praticamente ninguém usava máscara e a Polícia Militar acabou sendo acionada. O evento, planejado com muita antecedência, teve até apresentação de um MC que publicou vários vídeos da 'confraternização'.

É importante ressaltar que a administração Pedro Gouvêa liberou a realização de eventos sociais em locais privados com algumas restrições, como a utilização de apenas 40% do espaço, distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas e uso obrigatório de máscaras. O problema é que as imagens divulgadas mostram que nada foi respeitado.

Um dos organizadores do evento alegou que a aglomeração ficou restrita ao lado de fora, ao contrário do que mostram as imagens. Já o 39º Batalhão da Polícia Militar do Interior confirmou que, na madrugada de segunda-feira, teve que agir e resolver a ocorrência de perturbação do sossego público e desrespeito ao isolamento social.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.