EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

18 de Novembro de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

11 milhões de brasileiros acreditam que a Terra não é redonda

Número foi levantado por pesquisa do Datafolha; crença é maior entre os menos escolarizados e cristãos

O Datafolha fez uma de suas pesquisas mais inusitadas dos últimos anos. Por conta da popularização da Internet, correntes das mais variadas surgem afirmando coisas que chocam o senso comum. Ontem a noite, comecei a ler, de forma completa, a pesquisa sobre os terraplanistas. Sim. É isso mesmo!

Segundo o Datafolha, 7% dos brasileiros acreditam que a Terra é plana. A crença é maior entre os menos escolarizados e cristãos e, veja só, tem ganhado cada vez mais adeptos por conta das redes sociais. Falando em números reais, mais de 11 milhões de brasileiros afirmam com convicção de que o planeta não é redondo.

O levantamento do Datafolha entrevistou 2.086 pessoas, todas maiores de 16 anos, em 103 cidades espalhadas pelo país. Outro dado curioso é que 3% dos entrevistados disse que não sabe qual é a forma do planeta. Uma pesquisa semelhante, feita nos Estados Unidos, apontou que apenas 2% dos americanos são terraplanistas.

Segundo o astrofísico Marcelo Gleiser, um dos maiores nomes da ciência brasileira, chega a ser ridícula a negação da forma esférica da Terra. Para ele, isso mostra uma clara falha do sistema educacional brasileiro mas, além disso, ele aponta que algumas pessoas afirmam isso apenas para demonstrar insatisfação com a ciência.

Em números isolados, conseguimos extrair algumas informações importantes:

- Os mais velhos (60+) são os que mais defendem o terraplanismo (11%).
- Quanto menor a escolaridade, maior a crença de que a Terra é plana.
- As regiões Sul e Centro-Oeste concentram a maior parte dos terraplanistas.

E você? Qual a conclusão que tira dessa pesquisa?

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.