Aposentada de Santos arrecada e doa alimentos na porta de casa no Embaré: 'Gratificante'

Preocupada com a situação de famílias mais carentes, Denise resolveu criar um ponto para coleta e doação dos mantimentos

A iniciativa de uma moradora do Embaré, em Santos, é um belo exemplo de que atitudes solidárias fazem a diferença e ganham ainda mais importância nos momentos de dificuldade. Preocupada com a situação de famílias mais carentes, que estão sem emprego e renda, a aposentada Denise Aparecida Grande Fernandes da Silva resolveu criar um ponto de coleta e doação de alimentos.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Com o apoio de vizinhos, que aceitaram participar e ajudar, Denise colocou, na última segunda-feira, uma mesa na calçada de sua casa, localizada no número 166 da Rua Frei Francisco Sampaio. 

Sobre o móvel, ficam alguns produtos essenciais, como arroz, feijão, macarrão, farinha, lata de sardinha, achocolatado, dentre outros, que podem ser retirados por aqueles que mais necessitam. Pequenos cartazes informam a dinâmica do gesto solidário: “Doe se puder; leve o que precisa, com consciência”. 

“Certa vez, vi uma iniciativa como essa na Rua Vahia de Abreu e achei a ideia tão boa que pensei: não custa nada ajudar também e dar um pouco do que temos. Conversei com meus vizinhos e eles concordaram. Cada um ajudou um pouco e está sendo gratificante”.

De acordo com Denise, desde que a mesa foi colocada sobre a calçada, histórias de solidariedade têm se multiplicado. “Pessoas desconhecidas passam e pegam algum alimento. Outras se sensibilizam e também ajudam. Inclusive, minha vizinha contou que teve uma senhora cadeirante que perguntou se poderia pegar um pacote de fubá, não que ela não pudesse comprar, mas porque tinha medo de ir ao supermercado nesta pandemia. Ela disse que, assim que puder, voltará para retribuir”.

A aposentada acredita que, agindo assim, poderá inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo, criando uma grande corrente solidária neste momento tão difícil. “Uma vez, escutei uma frase que diz que ninguém é tão pobre que não possa doar alguma coisa. Nem precisa ser algo material. Um sorriso, uma conversa e um pouco de carinho já podem fazer uma grande mudança na vida de alguém”.

Tudo sobre: