Trabalhadores portuários protestam contra falta de pagamento em Santos

Grupo de cerca de 200 funcionários está sem receber pagamento, benefícios e verbas rescisórias

Por: ATribuna.com.br e TV Tribuna  -  23/11/21  -  11:06
Atualizado em 23/11/21 - 14:24
Grupo trabalhava para uma empresa de engenharia que prestava serviços a outra empresa no terminal portuário.
Grupo trabalhava para uma empresa de engenharia que prestava serviços a outra empresa no terminal portuário.   Foto: Reprodução/TV Tribuna

Um grupo de trabalhadores demitidos no início deste mês realizaram por volta das 7h desta terça-feira (23) um protesto no Porto de Santos por falta de pagamentos e benefícios. Eles trabalhavam para a Método Potencial, uma empresa de engenharia que prestava serviços para a Hidrovias do Brasil no terminal portuário.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


A comissão desses trabalhadores afirma que nenhum deles recebeu o pagamento do mês, nem os benefícios e verbas rescisórias. Cerca de 200 funcionários foram demitidos no dia 4 de novembro e a expectativa era de que eles recebessem os valores até o último dia 11, o que não aconteceu, segundo a comissão.


Segundo a reportagem da TV Tribuna, um representante da empresa portuária chegou a conversar com os trabalhadores mais cedo, mas nada foi resolvido. A empresa de engenharia em questão é a mesma que teve o contrato rescindido com a Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão.


Em nota, a Hidrovias do Brasil, empresa que recebeu os funcionários, afirmou que "está tomando todas as medidas possíveis para garantir que a empresa cumpra com as obrigações trabalhistas aos profissionais que atuavam na obra do STS20".


A empresa ressalta também que as verbas trabalhistas devem ser honradas pela Método Engenharia, responsável pela contratação dos funcionários.


"Apesar do contrato prever que todas as verbas trabalhistas devem ser honradas pela Método, os eventuais créditos devidos ao fornecedor serão depositados em juízo para garantir essas responsabilidades trabalhistas".


A Método Engenharia não retornou às solicitações até a publicação desta reportagem.


Logo A Tribuna