CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Trabalhadores esperam vacina contra a Covid-19 e cogitam greve no Porto de Santos
Categoria vai se reunir na próxima quinta (6) em um protesto na sede da Autoridade Portuária
Por: Redação  -  04/05/21  -  11:24
Trabalhadores cogitam greve no Porto de Santos nesta semana   Foto: Carlos Nogueira/AT

Os trabalhadores do Porto de Santos pretendem se reunir em uma manifestação pela vacinação da categoria na próxima quinta-feira (6). Caso não seja apresentado um cronograma de imunização contra a Covid-19 com datas, os portuários planejam uma paralisação de 24 horas na próxima semana. A ação deve ser repetida em outros complexos portuários do País.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A informação é do presidente do Sindicato dos Estivadores de Santos e Região (Sindestiva), Bruno José dos Santos. Segundo ele, o protesto será às 9 horas, em frente ao edifício-sede da Autoridade Portuária de Santos (APS), no Macuco.


São esperados cerca de 200 portuários na manifestação. Além dos estivadores, estarão presentes as demais categorias de avulsos, que incluem operários, vigias, consertadores, além dos funcionários da administração portuária.


Na quinta-feira, os trabalhadores devem parar entre 7 e 9 horas. Os escalados voltarão aos seus postos e os demais seguirão para o protesto na sede da estatal que administra o complexo.


“Já fizemos reunião virtual com o Diogo Piloni (secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários). Ele falou que ia fazer documento e mandar para o governo. E mandou. Passaram que no final de maio, possivelmente, começaria a vacinação. Agora falam em setembro. Vamos ter que chamar a atenção para acelerar”, destacou o presidente do Sindestiva.


Santos explica que uma possível paralisação será definida em conjunto com a Federação Nacional dos Portuários (FNP), Federação Nacional dos Estivadores (FNE) e com a Federação Nacional dos Conferentes e Consertadores de Carga e Descaga, Vigias Portuários, Trabalhadores de Bloco, Arrumadores e Amarradores de Navios, nas Atividades Portuárias (Fenccovib).


“A manifestação e a paralisação são pedidas pelas três federações. Vamos parar todos os portos do Brasil”, destacou o presidente do Sindestiva. “A gente não quer passar na frente de ninguém. A gente quer parar o vírus porque, no Porto, a gente se contamina diariamente. O perigo não é só o trabalhador, é ele ser o vetor para as nove cidades da região”.


O presidente do Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport), Everandy Cirino dos Santos, apoia a manifestação da próxima quinta-feira. “Qualquer decisão sobre paralisação deverá ser tomada em assembleia da Unidade Portuária. Mas a categoria precisa de uma posição sobre a vacinação”.


Guardas


Os primeiros portuários a serem vacinados são os guardas que atuam no cais santista. A imunização da categoria será iniciada nesta terça (4). De acordo com a Prefeitura de Santos, a imunização ocorrerá na sede do Comando de Policiamento do Interior (CPI-6), que fica na Avenida Coronel Joaquim Montenegro, 282, no Aparecida. A determinação foi do Governo do Estado e a organização será da Polícia Militar.


A Guarda Portuária está inserida no Sistema Único de Segurança Pública (Susp) e, por isso, terá direito à imunização no grupo prioritário que inclui policiais. A corporação também faz parte da Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (Cesportos).


A categoria também precisou de mobilização para ser contemplada no Plano Nacional de Imunização. No início deste mês, os guardas portuários fizeram um protesto em frente ao edifício-sede da Autoridade Portuária reivindicando a vacinação contra a Covid-19 para a categoria. Após a manifestação, a categoria também ingressou com uma ação na Justiça, que não chegou a ser julgada.