Conheça o Porto: A gestão ambiental do cais santista

Nesta edição da coluna, saiba mais sobre as entidades que tem como objetivo tornar o Porto sustentável

Por: Da Redalçao  -  05/12/18  -  16:57
 Cetesb visa preservação e recuperação da qualidade das águas, do ar e do solo
Cetesb visa preservação e recuperação da qualidade das águas, do ar e do solo   Foto: Divulgação/Ibama

A gestão ambiental no Porto de Santos, o principal do Brasil, é uma atividade compartilhada por três órgãos: a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), o Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a Autoridade Portuária de Santos.


Responsável pela fiscalização, pelo monitoramento, pelo controle e pelo licenciamento de atividades geradoras de poluição, a Cetesb é a agência do Governo do Estado que tem como preocupação fundamental a preservação e a recuperação da qualidade das águas, do ar e do solo.


Além de manter a função de órgão fiscalizador, a Cetesb passou a licenciar atividades que envolvem o corte de vegetação e intervenções em áreas consideradas de preservação permanente e ambientalmente protegida.


No complexo marítimo, também cabe à companhia estadual a fiscalização da emissão de partículas durante as operações de carga. Este é, muitas vezes, o principal conflito na relação Porto-Cidade e já fez com que a Cetesb autuasse vários terminais, principalmente os graneleiros localizados na Ponta da Praia. Em alguns casos, as operações chegaram a ser suspensas pelo órgão.


Desde 1999, obrigada por uma portaria federal, a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), administradora do cais santista, mantém um setor estritamente responsável por gerenciar tudo o que diz respeito ao assunto. Entre as principais atribuições da Superintendência de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho da Autoridade Portuária, está a de centralizar as informações ambientais provenientes das ações executadas por cada arrendatário (no caso, os terminais) ou ainda pelos diferentes operadores e navios. Esta responsabilidade, porém, não isenta a empresa envolvida pela atividade de buscar os devidos licenciamentos ou autorizações exigidas na legislação brasileira em vigor.


Por fim, há o controle ambiental federal, exercido pelo Ibama. Ele foi o órgão responsável por emitir a Licença de Operação (LO) do Porto de Santos no ano passado.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter