Santos Brasil pretende arrecadar R$ 1 bilhão com oferta de ações

Plano prevê garantir participação em leilões de terminais portuários e ampliar movimentação de contêineres

A Santos Brasil fará a oferta de 192,6 milhões de ações. Considerando o preço de fechamento do papel na segunda-feira, de R$ 5,19, a operação deve levantar cerca de R$ 1 bilhão. Os recursos serão utilizados, entre outras coisas, para garantir a participação da empresa em arrendamentos portuários, além de ampliar participação na movimentação de contêineres em todo o País.  

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Segundo fato relevante publicado nesta terça-feira (15), há ainda possibilidade de um lote adicional de até 35%, ou 67,4 milhões ações, o que levaria a oferta total para R$ 1,35 bilhão, considerando o preço de fechamento do papel. 

“A intenção da companhia é utilizar os recursos líquidos obtidos com a oferta (incluindo aqueles decorrentes da eventual colocação das ações adicionais) para, prioritariamente, participar em novos arrendamentos de ativos portuários; verticalizar e integrar a cadeia logística portuária a partir da plataforma da Santos Brasil Logística (SBLog); ampliar e consolidar a participação na movimentação brasileira de contêineres; e fins corporativos diversos”, informou a empresa, em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

A oferta terá coordenação do Banco BTG Pactual (coordenador líder), do Banco Morgan Stanley, da XP Investimentos e do Goldman Sachs do Brasil e, em conjunto com o Coordenador Líder, o Morgan Stanley e a XP, (coordenadores da oferta). A operação terá também esforços de colocação no exterior. 

Ela será restrita, feita via instrução CVM 476, com exclusão do direito de preferência e concessão de prioridade de subscrição para os atuais acionistas. O período de subscrição prioritária vai de hoje ao próximo dia 22. A operação será precificada no dia 24. 

Segundo a empresa, a oferta restrita é inadequada para compradores que não sejam investidores profissionais, com exceção dos acionistas no âmbito da oferta prioritária. “A decisão de investimento nas ações requer experiência e conhecimentos específicos do setor de atuação da companhia que permitam ao investidor uma análise detalhada dos negócios da companhia, seu mercado de atuação e os riscos inerentes aos seus negócios, que podem, inclusive, ocasionar a perda integral do valor investido”.  

As ações vão conferir a seus titulares os mesmos direitos, vantagens e restrições conferidos aos atuais titulares de ações ordinárias de emissão da empresa. Isto inclui direito de voto nas assembleias gerais da empresa, sendo que a cada ação ordinária corresponderá um voto, e direito ao recebimento integral de dividendos e demais proventos de qualquer natureza.

Tudo sobre: