EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

28 de Fevereiro de 2020

Portuários protestam contra planos da autoridade portuária

Trabalhadores do Settaport questionam falta de diálogo na elaboração do PDZ do Porto de Santos

A falta de diálogo entre a comunidade portuária e a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) durante a elaboração do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto de Santos foi alvo de um protesto realizado nesta manhã (20). Trabalhadores do Sindicato dos Empregados Terrestres em Transportes Aquaviários e Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Settaport) foram à porta da autoridade portuária com uma série de reivindicações. 

O protesto começou no Centro da cidade, no local onde eram realizadas as assembleias do Conselho de Autoridade Portuária (CAP). Em seguida, o grupo de trabalhadores seguiu para a sede da Docas, no Macuco, onde acontecia a reunião. 

O PDZ estabelece estratégias e metas para o desenvolvimento racional e a otimização do uso de áreas e instalações do porto organizado. A previsão da autoridade portuária é de que o estudo seja concluído no próximo mês. 

“O protesto é contra o presidente da Codesp [Casemiro Tércio Carvalho] que não quer discutir o PDZ com a parte trabalhadora. Isso é um absurdo e estamos muito preocupados com o futuro dos nossos empregos”, afirmou o presidente do Settaport, Francisco Nogueira. 

O sindicalista é contra a implantação de dois terminais de celulose na cidade. O plano do Governo Federal é licitar as duas áreas anteriormente ocupadas pelo Grupo Libra, no Macuco e na Ponta da Praia, nos próximos meses. 

Mas, para os trabalhadores, há o temor de perda de postos de trabalho. “A celulose não emprega como o contêiner. E dizem que essa carga vai chegar de trem que conta com um ramal ferroviário sucateado. Vai gerar desemprego para os rodoviários”, destacou o presidente do Settaport. 

Outro ponto destacado pelos trabalhadores é o plano de utilização dos armazéns 1 ao 8, no Valongo. O presidente da autoridade portuária já anunciou que pretende retomar a operação portuária naquela região. “Esta é uma área destinada à revitalização, com restaurantes, áreas de lazer e conveniência. E, do jeito que está, prejudica o programa Alegra Centro”. 

Outro lado

Procurada, a autoridade portuária informou que apresentou ao CAP, nesta manhã, uma versão preliminar do PDZ e que o órgão conta com representantes da sociedade civil, além de usuários do Porto e trabalhadores indicados pela Federação Nacional dos Portuários, assim como governos municipais, sindicatos e associações.

A estatal aponta, ainda, que deverá realizar outras rodadas com órgãos setoriais, visando colher contribuições para a conclusão do PDZ.

Tudo sobre: