EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

3 de Abril de 2020

Porto recebe trem chinês da linha 13-Jade

Composição levará passageiros entre a Capital e Guarulhos

O Porto de Santos recebeu, ontem, o primeiro dos oito trens que serão utilizados para o transporte de passageiros entre a Zona Leste da Capital e o Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Guarulhos, na Linha 13-Jade. O desembarque do comboio, formado por oito carros de passageiros que totalizam 170 metros de comprimento, aconteceu no Ecoporto Santos, no Valongo. Uma nova operação deste tipo deve ser realizada até o fim do mês.

A carga chegou a bordo do navio  Zhong Yuan Hai Yun Jin Qu. O cargueiro, que concluiu ontem sua viagem inaugural, deixou a China há três meses em direção ao cais santista. A embarcação receberá uma carga de celulose e, em seguida, voltará ao país asiático.

O trem veio em um navio novo, com porão climatizado para evitar a incidência de ar marinho, que afeta bastante, embora ele seja de aço inoxidável. Mas é sempre bom evitar que outros componentes sejam afetados”, disse o gerente comercial do consórcio Temoinsa Sifang, Edson Ghiro. O consórcio venceu a licitação do Estado para fornecer os trens da Linha 13-Jade.

Segundo o executivo, mais dois trens chegarão a Santos ainda neste mês. Em outubro, serão três, assim como em novembro.

No total, o consórcio contratado pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) investiu R$ 316,7 milhões na fabricação da frota.

Segundo o gerente de Operações do Ecoporto Santos, Robson Luiz Bissani, foi necessário um esquema especial para o desembarque do trem. Ele envolveu uma logística diferenciada e o treinamento de funcionários. “O Ecoporto vem trabalhando há muito tempo com carga geral, é um terminal multipropósito. Então, a preparação, o treinamento de equipe e o planejamento do navio para fazer essa movimentação é feito com bastante antecedência”, explicou.

Após desembarque

Serão necessários cerca de dez dias para o desembaraço da carga pela Receita Federal. Depois, os oito carros de passageiros serão colocados em caminhões e levados para Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo, onde passarão por testes.

Tudo sobre: