Ilha Barnabé deve ter melhorias até 2022 com novas intervenções no Porto de Santos

As intervenções anunciadas pela estatal que administra o porto incluem a recuperação estrutural do cais e dolfins existentes e construção de um dolfim de amarração

Nos próximos 18 meses, a Ilha Barnabé passará por diversas intervenções com o objetivo de garantir melhorias e mais segurança aos processos de embarque e desembarque. O anúncio do início dos trabalhos, que pegou os usuários de surpresa há dois meses, forçou a criação de um comitê formado por técnicos da Autoridade Portuária de Santos e da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). O temor da entidade era de que os trabalhos inviabilizassem as operações. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

As intervenções anunciadas pela estatal que administra o Porto de Santos incluem a recuperação estrutural do cais e dolfins existentes e construção de um dolfim de amarração. Trata-se de uma coluna de concreto fincada no fundo do mar que aflora à superfície. Também estão previstas a contenção de talude e a instalação de passarelas metálicas. 

Os trabalhos serão acompanhados de perto pelo comitê técnico. O grupo colabora no desenvolvimento de novas propostas para procedimentos de carga e descarga nas pranchas de operação e aplicabilidade dos procedimentos de atracação previstos com apoio da Autoridade Portuária. 

As obras foram iniciadas no dia 16 de dezembro e devem ser concluídas em maio deste ano. Segundo a Abiquim, estão em finalização as obras de recuperação do dolfim 10 do berço 1 da Alemoa, considerado fundamental para absorver o grande volume de movimentação de combustíveis. 

A entidade destaca que foi estabelecida a comunicação prévia das interdições para dragagem e demais manutenções nos berços, além desses trabalhos serem realizados concomitantemente com outras obras, aumentando disponibilidade dos berços e segurança. 

Segundo a Abiquim e a Autoridade Portuária, hoje, o tempo de espera para atracação nos terminais líquidos da Alemoa é de sete dias, em média, o que possibilita uma maior utilização dos berços da região e a diminuição dos custos. 

Segundo o diretor de Operações da Autoridade Portuária, Marcelo Ribeiro, enquanto as obras ocorrerem, sempre haverá dois berços operando na Ilha. “Estas obras na Ilha Barnabé são urgentes para garantir o bom funcionamento dos píeres de atracação e evitar danos futuros. Estamos programando os trabalhos de modo a afetar o mínimo possível às operações, e construindo o cronograma sempre a partir da escuta junto aos usuários”. 

“O diálogo aberto e franco entre os usuários do Porto de Santos e demais intervenientes com a Autoridade Portuária, gera resultados expressivos e avanços inimagináveis no tocante a eficiência, competitividade, segurança, regramento e isonomia, consequentemente beneficiando todo o País com a redução do custo brasil”, explica o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino.

Tudo sobre: