Com cruzes nas mãos, trabalhadores do Porto de Santos protestam por antecipação de vacinas

Categoria, que não parou desde o início da pandemia, aponta que mais de 20 estivadores já morreram em decorrência da Covid-19

Trabalhadores portuários avulsos protestaram, nesta manhã, na porta da Prefeitura de Santos, por doses de vacina. A categoria, que não parou desde o início da pandemia de covid-19, aponta que mais de 20 trabalhadores já morreram em decorrência da doença.  

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Este é o segundo protesto realizado pelos portuários nesta semana. O primeiro aconteceu na segunda-feira (6) na sede da Autoridade Portuária de Santos (APS).  

Segundo o estivador Armando Barreto Soares, o movimento foi organizado pelos próprios trabalhadores, sem a intervenção dos sindicatos. “Somos nós que sofremos para sair de casa, que não sabemos se vamos voltar com doença para os nossos familiares”.  

O trabalhador também aponta que os portuários não deixaram de trabalhar durante a pandemia e que houve uma promessa de prioridade na vacinação. Porém, além de idosos e profissionais da saúde, profissionais da segurança pública também já estão sendo imunizados. 

“Não tem uma previsão de quando nós vamos ter vacina. A nossa ideia é ter um movimento unificado no Brasil porque precisamos ter uma posição do governo, que fez questão que a gente não parasse”, afirmou o estivador. 

Soares ainda aponta a falta de álcool nos locais de trabalho, como nas escadas que dão acesso às embarcações. “Subimos e passamos a mão onde os tripulantes também passam. Outros segmentos já foram vacinados e nós, na linha de frente, recebendo tripulações do mundo inteiro, alimentos e medicamentos, não sabemos qual será a nossa vez”, destacou.

Em nota, a Prefeitura de Santos informou que segue o Plano Estadual de Imunização contra a covid-19. "Tanto o envio das doses como a determinação dos respectivos públicos-alvo a serem vacinados são responsabilidades do Governo do Estado".

Tudo sobre: