Autoridade Portuária prorroga prazo para estudos de implantação de 'internet das coisas' no Porto

Estatal deu mais 30 dias para que empresas manifestem interesse em estudar tecnologia para aplicá-la no cais santista

A Autoridade Portuária de Santos (APS) prorrogou, por mais 30 dias, o prazo para a manifestação de interesses para a doação de estudos sobre a instalação de uma rede de internet sem fio no cais santista. Inicialmente, o plano havia recebido críticas de especialistas da área. O motivo é a escolha de um sistema que, segundo eles, pode se tornar obsoleto em breve.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

No início do ano passado, a estatal lançou um edital de chamamento público para receber a doação de projetos e estudos técnicos. O material deverá embasar a instalação de uma rede sem fio de longo alcance do tipo LoRa (Long Range).

Mas especialistas em Tecnologia da Informação (TI) passaram a questionar o plano e a tecnologia estudada, apesar de apontarem a importância dele para o Porto de Santos. O principal questionamento é de que os estudos não deveriam ser pautados sobre uma ou outra tecnologia, e sim, após requisitos e necessidades mapeados, escolher uma ou mais redes que sejam aderentes.

Mesmo diante das críticas, houve interessados em participar do chamamento público. Porém, o número de participantes não foi revelado.

A estatal destacou que, como o assunto é complexo, quanto mais interessados qualificados tenham oportunidade de oferecer as suas contribuições, mais consistentes serão os subsídios colhidos e as conclusões de sua área técnica.

“Por isso optou por ampliar o prazo para inscrições de interessados em participar do estudo. Pesou ainda na decisão o fato de que o dilatamento do prazo para adesão de participantes não trará quaisquer prejuízos à administração do Porto de Santos ou a terceiros”, destacou a estatal que administra o cais santista, em nota.

Pesquisa realizada pela APS mostrou que mais de 20% dos arrendatários do complexo portuário têm interesse em utilizar a IoT em sensores de umidade do ar, elevadores, temperatura, proximidade, velocidade, presença e monitoramento de vagas de pátio.

E mais de 40% gostariam de usar essa tecnologia em sensores de chuva, incêndio, vazamento de gás e ambiental; e mais de 50%, em controle de equipamentos, movimentação de ativos, sistemas de identificação, detecção de movimento e medidores de energia.

Prazos

Os interessados em participar do chamamento público terão mais 30 dias para solicitar autorização da para integrar esse processo. Os autorizados terão 60dias para apresentar os resultados dos seus trabalhos à Autoridade Portuária.

O edital do chamamento está disponível no endereço eletrônico no site da autoridade portuária.

Tudo sobre: