EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

22 de Janeiro de 2019

Corpo do delegado aposentado Paulo Della Rosa é enterrado, em Santos

Centenas de pessoas acompanharam a cerimônia, realizada no Cemitério da Areia Branca

O corpo do delegado aposentado Paulo Della Rosa Júnior, de 55 anos, foi sepultado às 10 horas desta sexta-feira (11), no Cemitério da Areia Branca. Centenas de pessoas acompanharam o enterro, As investigações para apurar as circunstâncias de sua morte prosseguem.

Por determinação do delegado Manoel Gatto Neto, diretor do 6º Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter-6), o caso é apurado pela equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos.

Para não prejudicar o andamento das investigações, a ordem dada aos policiais é a de que nada seja informado até o desfecho do inquérito. Suicídio e homicídio são as principais hipóteses.

A DIG aguarda a remessa de laudos para confrontá-los com outras informações. Para que não se paire dúvidas sobre o que aconteceu com Della Rosa, que era escritor, membro da Academia Santista de Letras e conhecido como Delegado Poeta, imagens de câmeras de segurança também são checadas.

Della Rosa também era conhecido popularmente como Delegado Poeta (Foto: Arquivo/AT)

Após sair às 20 horas de segunda-feira de seu apartamento, no Gonzaga, dizendo à mulher que iria para uma confraternização com amigos na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, Della Rosa não foi mais visto. Posteriormente, ela apurou que o evento mencionado pela vítima sequer aconteceu.

Na manhã de quinta-feira (10), o corpo do delegado foi achado em uma encosta da Ilha Porchat, em São Vicente. O cadáver estava a cerca de cinco metros da Alameda 28 de Setembro, sendo possível visualizá-lo da calçada.

Della Rosa não levou tiros nem sofreu fraturas. Exame necroscópico realizado no Instituto Médico-Legal (IML) de Santos atestou que ele morreu de choque hemorrágico devido às mais de cinco facadas que levou nas regiões torácica e abdominal.

O delegado também sofreu golpes de faca nos antebraços. Essa arma foi achada debaixo do corpo. Della Rosa teria saído de casa com uma pistola calibre 7.65, que não foi encontrada. Ele deixou cartas manuscritas se despedindo da mulher, declarando o seu amor por ela e pedindo-lhe desculpas.

Esposa de Paulo Della Rosa recebeu o consolo de outras pessoas presentes ao enterro (Foto: Alexsander Ferraz/AT)