EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

21 de Maio de 2019

Estudantes reforçam importância do Enem para suas carreiras

Muitos eram os desafios dos jovens, da luta por uma bolsa até o treino para o vestibular de Medicina

O movimento nas universidades santistas foi intenso neste domingo (5). Milhares de estudantes foram enfrentar o desafio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). E entre tantos jovens com ideais diferentes, um ponto era compartilhado por todos: a importância desse processo seletivo.

“Nesse momento, pela situação do País, a prova do Enem é ainda mais importante, com tantas mudanças. A única oportunidade que a pessoa tem de conseguir uma bolsa de estudos, que é o que eu procuro. Dependendo da nota no Enem vou decidir entre algumas opções, como a área de marketing e Educação Física, para tentar o Prouni", opinou a assistente de marketing Fernanda Lopes, de 27 anos, moradora do Gonzaga, em Santos, que disse ter reservado uma hora por dia para estudar.

O teleatendente João Victor Sales, de 22 anos, morador do Morro do Tetéu, vê o Enem como a grande oportunidade de ingressar em uma universidade. "Do jeito que estão caras hoje em dia, você consegue entrar num Prouni, num Fies, num Sisu, fazer faculdade até de graça", comentou o jovem, que sonha cursar História e seguir carreira como docente.

Interessados por Medicina treinam
O Enem também foi visto como um treino para quem pretende cursar Medicina. "Estou vindo para treinar, porque é o principal processo seletivo. Eu quero fazer Medicina em universidade particular, não dá para entrar pelo Enem. Meu pai consegue pagar e é mais fácil”, justifica a estudante Maha Rami Abdul Rahem, de 17 anos, moradora da Ponta da Praia.

A estudante Isabela Barbosa, de 20 anos, que mora no Jabaquara, segue a mesma linha de pensamento de Maha. Para ela, o Enem é o primeiro passo para realizar o seu sonho de cursar Medicina.

“Vou fazer outros vestibulares. Sempre foi meu sonho, eu cheguei a entrar em Biomedicina, mas conversei com minha família e tranquei. Minha prima é enfermeira, sempre gostei da área, mas quero ser médica. Estudei o ano inteiro para isso. O mais difícil pra mim é matemática, que será na prova da semana que vem”,comenta.

*Com informações de Maurício Martins / A Tribuna