EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

21 de Janeiro de 2019

Pelo menos 2 milhões de pessoas sofrem de insônia no Brasil

Tratamento para o problema, que causa danos físicos, psicológicos e sociais, exige bons hábitos

Pelo menos 2 milhões de pessoas sofrem de insônia, segundo estimativa do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, sobre quanta gente no Brasil tem o distúrbio que tira o sono e causa problemas físicos, psicológicos e sociais. 

Porém, insônia não é doença. É consequência. O tratamento precisa de bons hábitos para a medicação fazer efeito. Quem alerta é Raimundo Nonato Delgado Rodrigues, do Departamento Científico do Sono, da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). “Infelizmente, a regulação do sono via administração de remédios age mais como elemento auxiliar.

Há basicamente drogas que aceleram a entrada em sono e tentam estabilizá-lo e outras que o inibem. Mesmo assim, os medicamentos reduzem o tempo de espera pelo sono, mas não podem apresentar efeitos duradouros no restante da noite”, conta ele.

Bons hábitos ao longo do dia favorecem a qualidade do sono (Foto: Pixabay)

A razão pela qual se fala tanto em insônia hoje, em diversas idades, é que as novas tecnologias e o ritmo de vida trazem a iluminação para qualquer horário, além de atividades a períodos antes destinados ao descanso.

Com isso, segundo Rodrigues, 30% da população mundial já experimentou o mal da insônia, um problema que, segundo ele, tende a piorar. “Nosso cérebro ficou sem pistas para determinar quando o sono tem que começar e acabar”,explica ele. 

Escuro para quê?

O neurologista e especialista do Instituto do Sono de Santos, Faustino Pacheco Filho, detalha o que o escuro tem a ver com a sonolência: é que o hormônio que traz o sono, a melatonina, só aumenta quando está escuro. Normalmente, isso deveria ocorrer à noite, mas o trabalho levado para casa, o estresse, o estudo à noite, os celulares em cima da cama e outras atividades confundemo organismo, apesar da capacidade humana de se adaptar.

Rodrigues também explica o porquê de pessoas com o sono bagunçado ficarem indispostas pela manhã, mesmo após dormiremhoras suficientes. “A melatonina é produzida no escuro, à noite, e estimulada 12 horas depois que a pessoa recebe sol. Se a luz de led segue até mais tarde, inibe a produção de melatonina. Atrasando ela, as 12 horas depois coincidem com o período da manhã”.

Porque não virar a noite?

Apesar de muita gente considerar ter energia suficiente para passar a noite acordado, é durante o sono que o organismo se recupera e se prepara para um novo dia. Já a privação do sono ativa neurônios que deveriam estar repousando. Então, além de cansaço, problemas hormonais, na memória e irritação, estudos já apontaram que a alta atividade desses neurônios está associada a doenças endócrinas, cardíacas ecerebrais.

Como alguns medicamentos para dormir fazem as pessoas não chegarem ao sono REM,  que é o sono que reorganiza sua memória e produz hormôniosestimulantes sexuais,ojeito é tentar desacelerar atividades e jogos à noite, ficar com luz mais baixa e ir para a cama quando o sono chegar.

“Por isso tanta gente que toma antidepressivo perde a libido”, conta Faustino Filho. “Droga é droga. Remédio só deve ser dado se for necessário. Primeiro, a gente tenta a terapia comportamental, acupuntura, meditação e só depois medicação”. 

Ronco é alerta para o corpo

Ronco é sinal de que algo não vai bem. Geralmente indica apneia, doença que pode levar à impotência sexual, perda de libido, além de problemas no casamento, sendo a queixa que mais leva pacientes aos institutos do sono para exames. Segundo Pacheco Filho, quem sabe do sintoma é quem dorme ao lado. Não adianta, segundo ele, comprar tampões de ouvido, mas, por amor, é preciso alertar.

A doença provoca problema de memória, depressão e alterações hormonais. Homens são mais afetados. “A cada dez pacientes que chegam aqui, são nove homens e uma mulher. Mas elas sempre vêm junto com os maridos, arrastando-os para se tratarem, porque ronco provoca até fim de relacionamento. O casal acorda indisposto, com perda de libido”, alerta ele, indicando que quatro casais com dificuldades para ter filho conseguiram engravidar após tratarem a apneia. 

Apneia

Há situações em que se misturam insônia e apneia. Então, por falta de vontade de dormir – no início ou meio da noite – ingere-se algum medicamento ou bebida alcoólica. Ao relaxar a musculatura demais, a própria garganta relaxada bastante, o que se torna um obstáculo à respiração.

São fatores de risco idade e obesidade, além de maus hábitos como o jantar pesado ou o exercício físico horas antes de dormir. Mas, para confirmar o diagnóstico, é preciso realizar a polissonografia – exame feito enquanto o paciente dorme em casa ou no consultório.

Problemas

A ciência dizia que cada indivíduo precisa dormir de seis a oito horas por dia para ser saudável, mas hoje já se indica que cada um tem uma necessidade diferente. Por isso, respeitar o sono é fundamental. Quando faltam horas de descanso, o cérebro entende que ocorreu uma espécie de modo de alerta.

Assim, hormônios do estresse, como cortisol, são liberados, causando aumento da pressão arterial (e possíveis derrames cerebrais ou infartos dormindo), ou aumento do açúcar presente no sangue – o que pode facilitar a obesidade.

Dicas

Entre as principais dicas para dormir melhor estão evitar comidas pesadas à noite, preparar um ambiente escuro para o sono, fugir do computador e do celular perto da hora de ir para a cama e procurar ter TV apenas na sala.