EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

22 de Janeiro de 2019

Mau funcionamento prejudica pacientes no PS da Zona Leste, em Santos

Aparelhos de ar-condicionado quebrados e falta de organização são os principais problemas apontados

Com a temporada de verão, as altas temperaturas e o aumento da população concentrada na região, pacientes que frequentam o Pronto Socorro Provisório da Zona Leste, em Santos, vêm relatando problemas com os aparelhos de ar-condicionado da unidade, além de falta de organização das filas de atendimento. Os problemas, segundo testemunhas, vêm ocorrendo há dias, e prejudicando tanto pacientes quanto funcionários.

Leandro José Ruivo Alves, de 32 anos, conta que, na sexta-feira (4), esteve com seu pai na unidade. Quando chegaram lá, a sensação térmica dentro do PS, segundo ele, parecia de 40°C. “Na rua estava mais fresco e agradável que lá dentro”, aponta. Ao questionar a funcionária que trabalhava no local, Leandro foi informado de que a situação dos aparelhoss já estava assim há pelo menos 20 dias, sem nenhum ar-condicionado funcionando, e que ela já havia solicitado a manutenção, mas ninguém apareceu.

Outro problema relatado por Leandro é de que o PS não possuía fila preferencial. Havia apenas uma fila, e cerca de 20 ou 30 pessoas esperando para triagem. ”Tinha idosos e pessoas com deficiência aguardando, gente que não conseguia nem ficar em pé na fila, com muletas e bengalas”, conta.

Em nota, a Prefeitura de Santos, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que identificou o problema, e que comprou as peças do ar-condicionado mencionado em caráter emergencial, e que a manutenção seria feita nesta terça-feira (8).

Sobre o atendimento, a pasta informou que a unidade tem recebido cerca de 100 pacientes a mais por dia do que o de costume, devido ao aumento da população flutuante na cidade. Ainda assim, segundo a secretaria, não foram constatadas esperas longas conforme relatado.