EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Dor no ciático: veja causas e tratamento

Maior nervo do corpo incomoda, ou irá incomodar, 90% da população em algum momento da vida; saiba minimizar o sofrimento

Quando o maior nervo do corpo é comprimido pela coluna, não tem jeito – é aquela dor horrível que começa nos glúteos e percorre a perna. Se identificou? Você não está só: mais de 90% da população vai sentir a dor ciática pelo menos uma vez na vida. O mais importante nesse caso é o diagnóstico correto, ou seja, saber exatamente o que está causando o problema.

“Temos testes clínicos específicos, o histórico do paciente e exames de imagem. A radiografia mostra sinais de degeneração da coluna, já a tomografia permite visualizar o formato do disco e a compressão óssea. Mas o padrão ouro é a ressonância magnética, que mostra os discos, as características, o fator de compressão e a relação do diâmetro do canal e a compressão do nervo”, explica o médico ortopedista e traumatologista German Vassilieff, cirurgião de coluna. 

O especialista explica que o tratamento é conservador na maioria dos casos, ou seja, há necessidade de cirurgia. “Dos pacientes diagnosticados com hérnia de disco, 3% precisam operar. A dor ciática tem indicação cirúrgica em dois casos: dor intratável, por mais de três meses, ou quadro neurológico, principalmente na parte de força. Quando o paciente tem dificuldade para caminhar ou começa a perder o chinelo, por incapacidade de levantar o dedo”, detalha Vassilieff. 

Segundo o ortopedista Luciano Miller, cirurgião de Coluna do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, como o nervo ciático é responsável pela sensibilidade, pode provocar outros sintomas, além da dor. “Adormecimento, formigamento, anestesia, diminuição à sensibilidade e fraqueza musculares”, diz Miller, explicando que o tratamento com analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia costumam resolver a situação. 

Segundo o ortopedista Kelly Humberto Annicchino, além da hérnia de disco, outros problemas podem causar dor ciática, embora mais raros. “Traumas na região lombar ou dos glúteos, estenose (estreitamento) espinhal, inflamações crônicas, fraturas ou lesões pélvicas, contratura muscular e tumores, por exemplo”. 

Cirurgia 

Miller afirma que a cirurgia da coluna avançou muito e pode ser feita por vídeo, com auxílio de microscópio. “Antigamente eram cirurgias agressivas, que sangravam, intervenções grandes e com resultados não tão bons. Hoje, mesmo em hérnias de disco, fazemos incisões de um centímetro, com pouca agressão à musculatura e recuperação mais rápida”, diz o cirurgião. 

Exercícios físicos 

Tratamento e prevenção da dor ciática passam necessariamente por exercícios físicos regulares, garante o ortopedista German Vassilieff. “Não existe tratamento na coluna sem atividade física. É fundamental, obrigatória para o tratamento. A única forma de o paciente parar de tomar medicação é com exercícios”.

Tudo sobre: