EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

16 de Junho de 2019

Criada há mais de 200 anos, homeopatia é opção para a saúde

Evento gratuito apresentará estudos sobre a prática, que tem seu dia celebrado nesta quarta-feira

Indicada para o tratamento de diversos tipos de doenças, inclusive aquelas com sintomas agudos, a homeopatia tem seu dia nacional comemorado nesta quarta-feira (21). Usada em pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2006, ela ainda é matéria optativa na maioria das faculdades e vista com desconfiança por uma ala de médicos.

A professora e advogada Fernanda Monnerat, de 62 anos, teve contato com a homeopatia ainda na infância, por influência da mãe. Ela conta que, há cerca de 15 anos, teve um problema intestinal e, além do tratamento convencional, procurou um médico homeopata.

“Paulatinamente, eu fui largando os outros remédios, fui melhorando e, a partir de lá, eu me trato com homeopatia em 90% dos casos”, afirma Fernanda. “A homeopatia trata o ser integralmente. Ela não procura, apenas, afastar os sintomas”, completa.

Jogadora de tênis desde os 10 anos e campeã do Torneio A Tribuna, ela usa homeopatia até em lesões musculares. “Tomei os anti-inflamatórios por três semanas, mas continuo cuidando da cicatrização com a homeopatia”.

Indicações

Criada em 1796 pelo médico alemão Samuel Hahnemann, a homeopatia é fundamentada no princípio dos semelhantes, ou seja, o tratamento utiliza substâncias que causam sintomas parecidos aos da doença, o que faz com que o organismo reaja à enfermidade.

Em 1980, ela foi reconhecida no Brasil pelo Conselho Federal de Medicina. Em 2006, o SUS passou a utilizá-la para cuidar de pacientes da rede pública de saúde, voltada a práticas integrativas ou complementares, como acupuntura, reiki, fitoterapia, meditação,ioga e quiropraxia.

A médica Selma Freire, que faz parte da Associação Médica Homeopática Brasileira, afirma que a homeopatia pode ser usada em qualquer caso, sobretudo nos funcionais. Em lesões, deve ser associada à medicina tradicional.

“Diferentemente da alopatia, que ataca a doença, a homeopatia age estimulando o sistema de defesa do organismo. Quando o sistema está fraco, a lesão é muito forte e está instalada, a gente deve utilizar o tratamento tradicional, associado à homeopatia”, explica.

Na opinião do médico Roberto Debski, especializado em homeopatia há 31 anos, ela pode tratar a maioria das doenças. Dependendo do caso, ser utilizada exclusiva ou complementamente.

Os especialistas admitem, entretanto, que ainda há preconceito em alguns setores da classe médica. “Acredito que os médicos que criticam a homeopatia o fazem por desconhecimento. Na faculdade, você basicamente só tem acesso a uma visão”, afirma Debski.“Um caso agudo pode, sim, ser tratado com homeopatia e, às vezes, até mais rapidamente do que a medicina convencional. Uma pessoa que teve uma fratura você não vai tratar só com homeopatia. Nesse caso, ela vai melhorar a dor, a inflamação e o processo de cicatrização”, afirma Debski.

“Não precisa chocar os métodos. É preciso somar. Precisamos valorizar a medicina preventiva como há muito tempo valorizamos a medicina curativa. Tratar a doença não resolve o problema. Além de ser muito custoso, um trabalho com tratamentos integrativos equilibra o nosso corpo”, conclui Selma.

Encontro

A Associação Paulista de Medicina realiza, a partir das 19 horas desta quarta, um encontro para apresentar estudos científicos sobre a utilidade e a eficácia da homeopatia. Será na sede da entidade, que fica na Avenida Ana Costa, 388, no Gonzaga, em Santos. A inscrição é gratuita e deve ser feita pelo telefone 3289-2626.

Mitos sobre o tratamento

Não há contraindicações - A potência do remédio, chamada de dinamização, pode causar reações adversas. ''Mas elas são leves e passageiras'', explica Selma Freire

Não precisa de receita médica - Só o médico homeopata é capas de avaliar quais tipos de medicamentos e as doses indicadas para cada paciente. ''A automedicação nunca é uma coisa boa'', diz Selma

Tocar a homeopatia com as mãos faz com que ela perca o efeito - Como qualquer outro medicamento, deve ser mantida longe do calor excessivo para que não perca as funções biológicas. O simples contato com as mãos não afeta o efeito, mas é preciso evitar a contaminação mantendo a higiene

A eficiência da homeopatia é a mesma do placebo - Um estudo de 2014, publicado na revista Systematic Reviews, mostrou que a homeopatua tem resultados um pouco melhores que o placebo, efeito causado por comprimidos sen nenhum princípio ativo, mas que fazem o paciente acreditar que está sendo curado. A médica Selma Freire diz anida que trabalhos mais recentes comprovam que a eficácia é bem superior à do placebo

Consumir bebidas alcoólicas afeta o tratamento - o consumo moderado de bebidas alcoólicas não atrapalha a eficácia do tratamento homeopático

A homeopatia não deve ser usada com remédios alopatas - Os tratamentos homeopáticos conseguem  bons resultados sozinhos ou de forma associada à medicina tradicional