EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

22 de Julho de 2019

Campanha alerta para casos de osteoporose

Ação de saúde foi realizada em dez países

Cerca de 200 milhões de pessoas no mundo sofrem de osteoporose, número tão grande que chega perto da quantidade de pessoas no Brasil. Pensando nisso, entidades ao redor do mundo realizaram no domingo (5) uma ação, 'Não Espere Cair Para Descobrir', promovendo exames gratuitos para o público. Foram dez países que se juntaram para tentar reverter esse cenário. No Brasil, o evento aconteceu em três cidades: São Paulo, na Avenida Paulista; Rio de Janeiro, na Praça Serzedelo Corrêa; e em Santos, na Concha Acústica.

Em uma tarde movimentada, várias pessoas que estavam passeando por ali resolveram fazer o teste. Até a eterna Garota de Ipanema, Helô Pinheiro, estava presente, dando força para o evento. “Me encantei com a campanha e resolvi me empenhar nela também. A falta de saúde óssea é muito grave e as pessoas não têm conhecimento”, conta ela que também fez o exame e teve um bom resultado.

Além de ajudar a conscientizar, um dos objetivos era bater o recorde mundial de exames realizados em um dia. Para alcançar a meta, era necessário fazer mais de 3 mil testes ao redor do mundo. Só no Brasil, precisava-se de 750, ou seja, 250 em cada cidade. E esse total foi obtido. Santos teve 398 testes; o país fechou o dia com 1.252.

A avaliação foi feita em um aparelho que analisava o osso sólido do pé, dando um breve levantamento da saúde do paciente. “Depois desse exame, a gente orienta a pessoa a procurar um profissional”, explica a médica endocrinologista Denize Bandeiras.

“Aconselhamos a fazer outro exame, a densitometria óssea. Assim, o médico pode dar início a um tratamento para reverter esse quadro ou estagná-lo”, diz o também endocrinologista Jorge Maxta.

Doença silenciosa 

A doença que afeta os ossos é silenciosa e, por isso, tão preocupante. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose.

Segundo os médicos, a maioria dos pacientes que apresentam o quadro é idosa e reúne, principalmente, mulheres depois da menopausa. “Santos é recordista em pessoas acima de 60 anos. Foi feito um levantamento dizendo que temos mais de 68 mil idosos na Cidade. Só perdemos para o bairro de Copacabana no Rio de Janeiro”, comenta Maxta que orienta as pessoas a se cuidarem sempre.

Afinal, mesmo a maioria atingida sendo mais velha, a doença pode afetar pessoas mais novas. É o caso do auxiliar de farmácia Erivaldo Marques da Silva, de 46 anos. Ele recebeu um diagnóstico que não esperava. “Deu um pouco alterado e pediram para eu procurar o médico”.

Para evitar a doença, os médicos aconselham fazer exercícios, ingerir alimentos ricos em vitamina D (em sua maioria laticínios) e tomar sol. E, se você é intolerante a lactose, é necessário tomar suplemento diariamente, lembrando que, para a vitamina fazer efeito no organismo, é preciso tomar um pouco de sol.