Twitter aponta publicação do Ministério da Saúde como 'enganosa'

Plataforma colocou observação junto à postagem sobre 'atendimento precoce', afirmando que foi violada regra sobre informações

O Twitter afirma que uma publicação do perfil oficial do Ministério da Saúde violou regras sobre "informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à covid-19". O alerta da plataforma foi feito sobre texto publicado na terça-feira (12), que trata do 'atendimento precoce', que no vocabulário do governo federal significa o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra pandemia, como a hidroxicloroquina.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

'Este Tweet violou as regras do Twitter sobre a publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19', afirma a plataforma. O texto, porém, foi mantido no ar: "O Twitter determinou que pode ser do interesse público que esse Tweet continue acessível", afirma a empresa (confira a postagem abaixo).

A Saúde afirma na publicação que o paciente deve procurar uma unidade de saúde e solicitar o "atendimento precoce", se sentir sintomas da Covid-19. Na sexta-feira (15), o Twitter fez o mesmo alerta sobre uma publicação do presidente Jair Bolsonaro que defendia o mesmo tratamento ineficaz para a Covid-19.

Procurado, o ministério não se manifestou sobre o alerta. Rejeitada pela a Organização Mundial da Saúde (OMS), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), entre outras entidades, a prescrição destes medicamentos virou aposta do governo Jair Bolsonaro. Após dois ministros (Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich) deixarem o ministério por divergências com o presidente, coube ao general Eduardo Pazuello mudar a orientação da Saúde sobre o uso destes fármacos, que passaram a ser indicados desde o primeiro dia de sintomas da doença.

 

 

Tudo sobre: