Trump diz que Brasil não está bem no controle da Covid-19 e sugere que EUA desacelerem testes

Presidente dos Estados Unidos voltou a comentar sobre a situação brasileira no combate ao coronavírus

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a comentar sobre a situação brasileira no combate do novo coronavírus. Ontem à noite, durante comício, Trump disse que o Brasil não "está indo bem" no controle da doença, assim como a Suécia. "Pergunte a eles como eles estão no Brasil, não estão muito bem. Vocês ouviram muito sobre a Suécia. Pergunte a eles como estão", afirmou, acrescentando que os Estados Unidos salvaram um milhão de vidas. "Agora, é hora de voltar ao trabalho", completou Trump, em discurso durante ato eleitoral Tulsa, no Estado americano de Oklahoma, na noite deste sábado (20).

Os EUA são o país com maior número de contaminados pela covid-19, seguido pelo Brasil. Os EUA tem mais de 2,2 milhões de casos e mais de 120 mil óbitos, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Em 24 de maio, os Estados Unidos proibiram a entrada de viajantes oriundos do Brasil. No Brasil, há 1.070.139 casos e 50.058 óbitos, segundo dados do consórcio da imprensa. Em 24 horas, foram registradas 968 mortes, de acordo com levantamento feito por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL.

Trump comentou também sobre a redução do ritmo de realização de testes para o novo coronavírus, repetindo observações anteriores de que números mais altos parecem ruins. Segundo ele, mais de 25 milhões de testes para a doença foram realizados."Quando você faz testes nessa medida, encontra mais pessoas. Você vai encontrar mais casos. Então eu disse ao meu pessoal: 'Devagar, por favor.'", disse Trump. O presidente disse que salvou "centenas de milhares de vidas" através de ações para combater a doença. Seis membros da equipe de campanha de Trump que se preparavam para o comício testaram positivo para o vírus e, por isso, não participaram do evento, disseram autoridades. Contudo, especialistas em saúde pública dizem que não testar a população deve aumentar o número geral de casos, porque as pessoas infectadas não sabem que estão contaminadas e devem ficar em quarentena.

O presidente norte-americano defendeu ainda a reabertura econômica do país e destacou que sua gestão fez o país retomar a prosperidade econômica - projeto que foi prejudicado pela pandemia do novo coronavírus. "Nós éramos a inveja do mundo ... e então o vírus entrou", disse Trump. Ele enfatizou que estava na hora de abrir a economia e voltar ao trabalho. "Nós vamos subir, subir, subir", afirmou. No discurso, Trump também voltou a citar a China como origem da doença e disse que o vírus deveria "ter permanecido onde surgiu".

No território norte-americano, o vírus parece estar se espalhando pelo Oeste e Sul. Neste domingo, o estado do Arizona relatou 3.109 novas infecções, um pouco abaixo do recorde de sexta-feira e 26 mortes. O estado de Nevada também relatou uma nova alta de 445 casos. O estado de Oklahoma informou no sábado 331 novos casos de vírus, elevando o número total de casos confirmados para 10.037, com 368 mortes por covid-19, de acordo com o departamento de saúde local.

A campanha de Joe Biden, rival democrata de Trump nas eleições presidenciais, que serão realizadas em novembro, acusou Trump de "colocar a política à frente da segurança e do bem-estar econômico do povo americano".

Tudo sobre: