EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

25 de Maio de 2019

Theresa May solicita adiamento do Brexit até 30 de junho

Pedido foi feito cinco dias antes de mais uma reunião de cúpula da União Europeia

A primeira-ministra britânica, Theresa May, solicitou outro curto adiamento do Brexit à União Europeia que, ante o risco de que o Reino Unido transfira o caos político de Londres para Bruxelas, parece preferir dar mais tempo ao país, mas sempre deixando a porta aberta para a saída.

Em uma carta enviada ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, cinco dias antes de mais uma reunião de cúpula extraordinária que a UE deve celebrar sobre o Brexit, May informou que o Reino Unido deseja adiar novamente a saída do bloco, até 30 de junho. 

A separação estava prevista, inicialmente, para 29 de março de 2019, mas depois que o Parlamento britânico não aprovou o acordo que May negociou com Bruxelas, os sócios europeus concederam um pouco mais de tempo, até 12 de abril, para que a primeira-ministra encontrasse uma solução.

Os 27 países da UE deixaram claro que qualquer novo adiamento obrigaria os britânicos a participar nas eleições ao Parlamento Europeu, de 23 a 26 de maio, para designar seus novos eurodeputados quase três anos depois do referendo de 2016 em que 52% dos eleitores votaram a favor do Brexit.

Apesar do cenário, May, que negocia atualmente com o líder opositor trabalhista Jeremy Corbyn em busca de um consenso que retire o país do bloqueio, propôs que a prorrogação “termine em 30 de junho de 2019”.

Downing Street continua com o desejo de encontrar uma solução antes da formação da nova Eurocâmara no início de julho, com a concretização da saída “o mais rápido possível”, sem esgotar o novo prazo, embora isto signifique iniciar uma campanha para as eleições europeias que deve ser interrompida antes de chegar a termo.

'Tão difícil quanto possível'

Na opinião da trabalhista pró-UE Margaret Beckett, é uma “boa notícia” que May aceite uma nova prorrogação, mas afetada pela “má notícia” de que faz isto para “manter viva sua estratégia frustrada e seu acordo do Brexit”.