EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

25 de Maio de 2019

Temporal no Rio deixa ao menos três mortos; cidade entra em estágio de crise

Prefeito Marcelo Crivella decretou feriado nas escolas e pediu que ninguém saia nas ruas caso não precise

Um temporal que atingiu o Rio de Janeiro na noite desta segunda-feira (8), causou pelo menos três mortes, alagou ruas, derrubou árvores e destruiu carros em vários bairros. A Polícia Militar confirmou que uma pessoa morreu na Rua Marquês de São Vicente, na Gávea, zona sul da cidade. Segundo relatos, um homem que estava na garupa de uma moto acabou derrubado pela correnteza e foi arrastado pela água. Quando o alagamento na via diminuiu, o corpo foi encontrado preso embaixo de um carro.

No Morro da Babilônia, na zona sul, o Corpo de Bombeiros foi acionado para prestar socorro em um soterramento e informou que duas mulheres adultas, ainda não identificadas, morreram. As equipes continuam no local em busca de outras possíveis vítimas

A força da água causou o desabamento de mais um trecho da Ciclovia Tim Maia, que liga o Leblon, na zona sul, à Barra da Tijuca, na zona oeste. Desta vez, a parte que caiu fica próxima ao bairro de São Conrado. O desabamento ocorreu por volta das 22h, quando a via já estava fechada. Desde que foi inaugurada, em 2016, a estrutura já sofreu quatro desabamentos. O mais grave deles ocorreu logo após a inauguração, quando uma ressaca no mar derrubou uma parte da pista, matando duas pessoas.

A cidade entrou em estágio de atenção às 18h35 e às 20h55 passou para o estágio de crise - o mais grave de três níveis de risco, segundo a escala usada pela Prefeitura. Segundo a administração, em quatro horas choveu mais do que nos dias 6 e 7 de fevereiro, quando as precipitações causaram a morte de seis pessoas.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse na manhã desta terça-feira (9), que mais de cinco mil homens estão trabalhando para tentar minimizar os problemas.

"Decretamos feriado nas escolas e pedimos para que ninguém que não precisa saia nas ruas. As chuvas que caíram são anormais, nenhum de nós esperava um volume desses", afirmou Crivella em coletiva no Centro de Operações do Rio (COR).

O prefeito disse que o Centro de Operações funcionou durante toda a noite e que vai continuar trabalhando durante todo o dia de hoje para tentar evitar mais tragédias.

Crivella informou ainda que as regiões mais afetadas foram as zonas sul e oeste e que os deslizamentos graves só foram observados no morro da Babilônia, no Leme (zona sul). Segundo ele, 785 pontos da cidade estão sem luz e algumas das principais vias da cidade foram fechadas por segurança, como a Grajaú-Jacarepaguá e o Alto da Boa Vista, que ligam a zona norte à zona oeste. "Foi uma coisa trágica ontem", reconheceu o prefeito.