EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

9 de Agosto de 2020

Superterça deixa disputa democrata restrita a Bernie Sanders e Joe Biden

O candidato democrata será definido na convenção de Milwaukee, entre os dias 13 e 16 de julho. Para obter a candidatura, Biden e Sanders precisam obter o apoio da maioria dos 3.979 delegados e 771 superdelegados

A Superterça, noite mais decisiva das primárias americanas, serviu para limpar a disputa presidencial democrata, que ficou restrita ao ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden, um moderado, contra o senador Bernie Sanders, um "socialista democrata", como ele se define. Os dois dividiram a maioria das vitórias nas prévias estaduais desta terça-feira (3), e devem disputar entre eles quem será o nome que enfrentará Donald Trump, em novembro.

Segundo projeções, até o início da madrugada desta quarta-feira (4), Biden havia vencido as prévias em Estados como Carolina do Norte, Virgínia, Minnesota e Tennessee. Já Sanders havia ganhado em Vermont, Utah, Colorado e lutava voto a voto com o ex-presidente no Texas e em Massachusetts. Na Califórnia, Estado mais populoso dos EUA, com mais de 20 milhões de eleitores registrados e que conta lentamente seus votos - a expectativa é que a apuração total no Estado leve dias para ser concluída.

O bilionário ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, que gastou US$ 500 milhões em três meses de campanha, teve um desempenho abaixo do esperado. A disputa democrata foi marcada pelo excesso de candidatos - no total, 29 chegaram a disputar a indicação. No entanto, desde o início, estava claro que a corrida seria entre as duas alas do partido: os progressistas e os moderados.

Biden, que liderou a corrida presidencial a maior parte do tempo, veio perdendo terreno desde o ano passado. Nas primeiras três prévias - Iowa, New Hampshire e Nevada - Sanders obteve excelentes resultados, saltou como favorito e sua caminhada parecia incontestável. Mas na quarta disputa a campanha do ex-vice-presidente ressuscitou.

Com a vitória convincente na Carolina do Sul - especialmente com o voto do eleitorado negro -, Biden recebeu o impulso de vários rivais em um espaço de 48 horas: Pete Buttigieg, ex-prefeito de South Bend, e a senadora Amy Klobuchar, que abandonaram as prévias, embarcaram na campanha do ex-vice-presidente dos EUA. Beto O'Rourke, ex-deputado texano e uma das estrelas do partido, também anunciou apoio a Biden.

De acordo com pesquisas de boca de urna, divulgadas ontem, após o encerramento das votações da Superterça, a maioria dos eleitores democratas que decidiu em quem votar na última hora optou por Biden - o que mostra o entusiasmo de sua campanha nos últimos dias.

Definição

O candidato democrata será definido na convenção de Milwaukee, entre os dias 13 e 16 de julho. Para obter a candidatura, Biden e Sanders precisam obter o apoio da maioria dos 3.979 delegados - escolhidos nas primárias (cerca de 84% do total de votos da convenção) - e 771 superdelegados, que são caciques do partido, líderes estaduais e burocratas, que representam pouco mais de 16% do total de votos em Milwaukee.

Na noite de ontem, estavam em disputa 1.357 de delegados - cerca de um terço do total que definirá o candidato em julho. Para alguns líderes do Partido Democrata, o pior cenário seria que Sanders e Biden sigam dividindo a votação e o número de votos, sem que ninguém obtenha uma maioria clara durante a convenção.

O impasse obrigaria os 771 superdelegados a decidir o nome do candidato. No momento em que a população parece cansada dos políticos tradicionais, o partido não quer passar a imagem de que a indicação é decidida por burocratas e não pelo voto popular. As lideranças democratas, portanto, estão diante do dilema de hipotecar apoio a Biden, atrapalhando o caminho de Sanders, e correr o risco de alienar parte do eleitorado do senador, especialmente o exército de jovens dispostos a votar no partido pela primeira vez. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo sobre: