EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

7 de Julho de 2020

Sem quarentena obrigatória, Uruguai é apontado como exemplo contra o coronavírus

País conseguiu estabilizar o número de casos com 10.261 exames para cada milhão de habitantes e reduzir os efeitos da pandemia com iniciativas econômicas

O Uruguai foi apontado pelo portal Endcoronavirus.org, ranking realizado pela New England Complex Systems Institute, como o único país da América do Sul e um dos 42 do mundo que vêm conseguindo combater o novo coronavírus. Sem impor quarentena obrigatória, o governo comandado por Luis Lacalle Pou está mantendo o controle da situação epidemiológica entre suas fronteiras.

O país conseguiu estabilizar o número de casos da Covid-19 em seu território. Até o momento, são 738 pessoas infectadas e 20 mortas. As estatísticas e a forma como o presidente local tem lidado com o problema tornam o Uruguai um exemplo para os vizinhos sul-americanos.

Diante da pandemia, Lacalle Pou, novato na presidência uruguaia, após 15 anos de governo da Frente Ampla, decidiu lançar a "Operação Todos em Casa", uma campanha de isolamento social voluntária.

O governo uruguaio suspendeu as aulas, fechou fronteiras e proibiu a realização de eventos que juntassem aglomerações. No entanto, não coibiu pessoas de saírem de suas casas para trabalhar, desde que respeitassem as orientações sanitárias, como manter a distância e usar máscaras de proteção.

Para o presidente, era necessário balancear a saúde da população e a economia, sem esquecer do déficit fiscal em torno de 6% do PIB e o crescimento da dívida pública deixados por gestões anteriores.

Para controlar o novo coronavírus, o Uruguai realizou um total de 10.261 exames para cada milhão de habitantes, o que equivale quase ao triplo em relação ao Brasil, onde a marca é de 3.462 testes por milhão.

Já para conter os efeitos negativos da pandemia, Lacalle Pou decidiu reduzir o salário de funcionários públicos e diminuir as aposentadorias por dois meses. Ele também lançou um programa para impulsionar a iniciativa privada e criou um seguro aos trabalhadores demitidos ou que sofreram redução salarial. Trabalhadores informais também foram ajudados com um benefício do governo pelo mesmo período.

*Com informações do G1

Tudo sobre: