Rodrigo Maia levanta possibilidade de impeachment de Jair Bolsonaro no futuro

Presidente da Câmara não descarta a abertura de processo de destituição de Bolsonaro, mas afirma que não é o foco no momento

Com mais de 60 pedidos de impeachment à espera de uma avaliação sua, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não descartou a possibilidade de abertura de um processo para destituir Jair Bolsonaro da Presidência da República no futuro. Porém, Maia afirma que o foco do Legislativo no momento deve ser o combate à pandemia.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

O presidente da Câmara ressaltou a urgência do enfrentamento à pandemia, assunto prioritário para o governo. "Nesse momento, com tantas vidas perdidas pelo Brasil, com o caso dramático de Manaus, esse tem de ser o nosso foco. Não que o tema do impeachment, em algum momento no futuro, não deva entrar na pauta, ou uma CPI para investigar tudo o que aconteceu na área de saúde durante a pandemia, mas acho que nesse momento, a gente tiraria o foco do enfrentamento do coronavírus", disse Maia.

Rodrigo Maia falou sobre o assunto ao ser questionado sobre o andamento ao mais novo pedido de impeachment, que foi apresentado de forma coletiva pelos partidos de oposição. Assinado por Rede, PSB, PT, PCdoB e PDT, que reúnem 119 deputados, o documento cita o colapso da saúde em Manaus e diz esperar uma reação urgente do Congresso.

"O presidente da República deve ser política e criminalmente responsabilizado por deixar sem oxigênio o Amazonas, por sabotar pesquisas e campanhas de vacinação, por desincentivar o uso de máscaras e incentivar o uso de medicamentos ineficazes, por difundir desinformação, além de violar o pacto constitucional entre União, Estados e Municípios", diz nota conjunta dos partidos, que defendem a volta imediata dos trabalhos do Congresso.

Comissão Representativa do Congresso

Maia aproveitou para defender a convocação da Comissão Representativa do Congresso para retomar os trabalhos do Legislativo em janeiro. A decisão cabe ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

"Alcolumbre poderia convocar a comissão à qual ele preside e tem membros eleitos na Câmara e Senado. Seria um bom ambiente, menor, sem o viés político, que não é o mais importante para que o Parlamento pudesse estar trabalhando", afirmou.

A Comissão Representativa do Congresso é um colegiado temporário, previsto na Constituição, que atua em períodos de recesso parlamentar, situações excepcionais e urgentes. No momento, os deputados e senadores estão de férias, com retorno previsto para 1º de fevereiro.

Tudo sobre: