EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

7 de Agosto de 2020

Primeira-dama Bia Doria diz que não é correto dar marmita para moradores de rua

Esposa do governador do estado de São Paulo também é a presidente do Fundo Social de Solidariedade de São Paulo

A primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade de São Paulo, Bia Doria, declarou em entrevista para a socialite Val Marchiori, que não se deve dar marmita para moradores de rua. A entrevista ocorreu no Palácio dos Bandeirantes nesta quinta-feira (2).

A justificativa da primeira-dama é de que as pessoas em situação de rua devem se conscientizar de que têm que sair da rua, local que hoje, segundo ela, é confortável para eles.

"Falando dos projetos sociais, algo muito importante. As pessoas que estão na rua... Não é correto você chegar lá na rua e dar marmita, porque a pessoa tem que se conscientizar de que ela tem que sair da rua. A rua hoje é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua", diz Bia Doria.

“Eles não querem sair da rua porque no abrigo eles têm horário para entrar, têm responsabilidades, limpeza, e eles não querem, né, Bia?”, pergunta Val na entrevista.

A primeira-dama responde afirmando que as pessoas não querem arcar com as responsabilidades, mas querem receber comida, roupa e uma ajuda.

Presidido por Bia Doria, o Fundo Social de São Paulo foi criado em 1968 e tem como objetivo instituir programas sociais destinados a atender pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Em nota, Bia diz que “sua fala foi tirada do contexto”, e conta que sua intenção “é que as pessoas em situação de rua tenham acesso aos abrigos públicos, onde terão alimentação de qualidade dentro das normas de higiene da Vigilância Sanitária, e uma condição de vida mais digna. Ou mesmo nos restaurantes Bom Prato, que recentemente decretaram gratuidade aos moradores de rua.”

*Com informações da Folha de S. Paulo

Tudo sobre: