Pastor que disse que pandemia de coronavírus era uma 'histeria' morre de Covid-19

Homem havia feito uma pregação em um festival um mês antes de sua morte. Para ele, as notícias sobre a doença eram um complô contra Trump

Um pastor dos Estados Unidos morreu de Covid-19 após subestimar a doença causada pelo novo coronavírus. Landon Spradlin tinha 66 anos e, um mês antes de seu falecimento, fez uma pregação em um festival. Para ele, as notícias sobre a pandemia eram um complô contra o presidente Donald Trump.

Landon passou a apresentar sinais da Covid-19 logo após ter pregado no Mardi Gras, o carnaval da cidade de Nova Orleans. O pastor viajou de carro por cerca de 1,5 mil quilômetros de distância de casa, no estado da Virgínia, até Louisiana, ao lado de sua esposa, Jean. Lá, o casal encontrou duas de suas filhas.

"O Mardi Gras em Nova Orleans é como a Times Square em Nova York durante o Ano Novo. É um mar de gente bebendo e festejando. Ele falou muito, riu. Estava à vontade", contou sua filha, Jesse, de 28 anos.

O pastor já era um paciente sintomático quando usou seu Facebook para fazer comentários sobre a doença. Em um deles, chamou a situação de "histeria", além de ter dito que as mortes decorrentes do novo coronavírus eram comparadas às da gripe suína e que os números sobre elas eram falsos.

Landon, que tocava guitarra em suas pregações, teve um velório bastante restrito devido à situação caótica nos Estados Unidos por conta da pandemia. Sua família espera que, após a quarentena, possa realizar um funeral com mais pessoas e mais homenagens ao ente falecido.

*Com informações da BBC

Tudo sobre: