EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

29 de Fevereiro de 2020

Empresas da Baixada Santista fazem 'meio de campo' para conseguir placas Mercosul

Motorista vai até o local, faz o pagamento e, em até 48 horas, placa produzida na Capital é enviada às unidades do Detran

A Baixada Santista continua sem locais para confecção das placas no padrão Mercosul, exigidas desde o dia 1º em todo o país. No entanto, já é possível, ao menos, não ter que ir até a capital paulista para fazer o emplacamento - e, por lá, os consumidores também estão encontrado problemas, esperando até quatro horas para conseguir o novo modelo.

Postos de atendimento em Santos, Guarujá e Praia Grande estão realizando o “meio de campo” para conseguir o emplacamento. A pessoa vai até o local, faz o pagamento (somente em cartão de débito ou crédito) e, em até 48 horas, a placa, produzida na Capital, é enviada às unidades do Detran destas cidades, onde o consumidor consegue finalizar o processo.

“Nós ainda não estamos autorizados a produzir as placas, mas conseguimos adiantar o processo. Então, os pedidos são feitos aqui, enviados para a Capital e retornam”, explica o gerente regional da Centersystem, Cristiano Egrejas.

O custo é de R$ 215 para o par de placas, R$ 120 dianteira ou traseira (cada) e R$ 115 para placas de moto. 

Em Cubatão, há a expectativa de que o serviço comece a operar no próximo dia 25. Ronaldo dos Santos, administrador da Tecnoplaca, que está há pelo menos dois meses se preparando para realizar o trabalho, disse que receberá os equipamentos no fim de semana. “Agora, ao menos, há uma esperança. Na semana que vem, haverá a vistoria, e logo depois, creio que em 48 horas, a resolução que vai me permitir produzi-las”, diz.

Depois do processo de autorização, sua ideia é expandir o funcionamento para outras cidades, começando por Santos.

Quem deve trocar?

De acordo com a Resolução 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), a placa do Mercosul deve ser instalada em veículos novos; na mudança de categoria do automóvel, por furto, extravio, roubo ou dano; e em decorrência da transferência de município ou estado. A troca não é obrigatória nos demais casos.

Resposta

O Detran-SP afirmou, em nota, que o processo de credenciamento das empresas estampadoras de Placas Padrão Mercosul segue aberto, com prazo indeterminado, e que atualmente há mais de 50 empresas credenciadas e outras 15 aguardando liberação.

O órgão informa, ainda, que “na Baixada Santista, inclusive, já há emplacamento nas unidades do Detran-SP da região, como Santos, Praia Grande, São Vicente, Guarujá, Bertioga e Peruíbe”. No entanto, o Detran não informou como é feito esse emplacamento e em quanto tempo os consumidores podem ter, efetivamente, as placas em seus carros.

Tudo sobre: