EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Detenta revela que advogada presa pediu para ser agredida para obter prisão domiciliar

Advogada foi presa por suspeita de planejar ações criminosas, como fuga de chefes de facção de presídios no Ceará

A detenta suspeita de agredir a advogada Elisângela Maria Mororó no Instituto Penal Feminino (IPF) Auri Moura Costa, no Ceará, confessou tê-la agredido a pedido da própria advogada. Elisângela teria pedido para ser agredida, segundo a detenta, para que conseguisse um pedido de prisão domiciliar, conforme boletim de ocorrência.

A advogada foi presa por suspeita de integrar uma organização criminosa, na qual ela seria a responsável por planejar fugas de chefes de facção de presídios. Ela também é suspeita de cobrar até R$ 15 mil para entregar droga a presidiários durante visita aos clientes presos.

Após sofrer a agressão, Elisângela recebeu atendimento médico, que não constatou gravidade nas regiões atingidas. Ela retornou à unidade prisional, onde está reclusa.

Segundo a nova versão da detenta, a advogada pediu para que ela simulasse a agressão com a promessa de que conseguiria um advogado para ela. O defensor atuaria em um pedido de transferência para um hospital mental, já que a mulher sofre surtos de epilepsia.

*Com informações do G1 Ceará.

Tudo sobre: